Mais de 6% da despesa das famílias portuguesas destina-se à cultura

A percentagem das famílias portuguesas está abaixo dos gastos dos agregados familiares dos outros Estados-membros da União Europeia (8,5%), de acordo com o Eurostat.

As famílias portuguesas destinam 6,3% das suas despesas em atividades de cultura e lazer, de acordo a informação divulgada esta sexta-feira, 11 de janeiro, pelo Eurostat. Segundo os dados do organismo de estatística europeu, referentes a 2017, a percentagem está abaixo dos gastos dos agregados familiares dos outros Estados-membros da União Europeia (8,5%).

No conjunto dos países da comunidade única, este valor representa uma despesa superior a 710 mil milhões de euros nesse ano, o que equivale a 4,6% do PIB da União Europeia (ou 1.400 euros por habitante em idas ao cinema, ao teatro, a jogos de futebol…). O número parece elevado mas representa uma descida ao longo da década (em 2007 era de 9,1% no conjunto da União Europeia e de 7,2% em Portugal).

Quando comparada a despesa dos países do bloco, a Dinamarca (11,5%), a Suécia (11,0%), a Finlândia (10,5%), a Eslováquia (10,4%), a Holanda (10,1%) e a Áustria (10,0%) fixaram-se no topo da tabela, destinando mais de 10% do seu consumo a bens/atividades culturais e recreativas. Já a Grécia situa-se no fim do ranking, com apenas 4,6% das despesas domésticas das famílias aplicadas na cultura e lazer, seguindo-se a Roménia (5,8%), a Irlanda e Luxemburgo (ambos com 5,9%) e o Chipre (6,0%).

“Registou-se na Finlândia a maior descida ao longo deste período de 10 anos (de 12,3% do total das despesas das famílias em 2007 para 10,5% em 2017, ou uma diminuição de 1,8 pontos percentuais) e da Eslovénia (-1,6 pontos percentuais), à frente da Irlanda (-1,3 pontos percentuais) e da Bélgica (-1,2 pontos percentuais)”, refere o Eurostat.

Fonte: Eurostat

Ler mais
Recomendadas

Casal de influenciadores admite que a mãe financia estilo de vida

Foi quando atingiram os 200 euros no fundo, que Catalin admitiu que a mãe os estava a financiar. “Até este momento, a minha mãe está a financiar-nos. Ela tem dois trabalhos e não tem muito para ela”, disse.

Chernobyl como nunca viu e contado por quem o viveu

Um ex-trabalhador diz a série capta, com grande precisão, o clima e as emoções nos momentos que se seguiram à explosão. “A catástrofe é descrita de uma forma bastante poderosa, como uma tragédia global que afetou um grande número de pessoas”, explicou à BBC.
Ian Langsdon / EPA

Multimilionários prometeram milhões para reconstruir Notre Dame. O dinheiro ainda não chegou

As duas grandes empresas foram contactadas, posteriormente, pela ‘Associated Press’ sobre a falha em cumprir as promessas da doação do dinheiro, e as empresas sublinharam que ainda o pretendiam fazer.
Comentários