Mais de 60% dos europeus quer mudar para bancos digitais mas não o fará no próximo ano

O interesse no digital banking e soluções móveis varia na Europa. A Mastercard verificou que os mercados do Leste estão 13 pontos à frente quando comparados com seus homólogos da Europa Ocidental (57% versus 44%).

A tecnologia financeira está a ter cada vez mais adeptos. Segundo um novo relatório da Mastercard, 62% dos europeus inquiridos tem interesse em mudar do seu banco físico para plataformas digitais, o que representa um crescimento de 13 pontos em três anos. Porém, só 23% considera passar para um banco 100% online nos próximos 12 meses e quase ninguém acredita que as instituições bancárias tradicionais desaparecerão na próxima década.

A análise, que envolveu 9.600 entrevistados, concluiu que mais de dois em cinco europeus (42%) realizaram com maior frequência transações financeiras online ou através de apps do que antes da pandemia. No entanto, mais de metade (52%) dos utilizadores de banca digital disse a regularidade com que fazem transações financeiras não se alterou este ano.

“À medida que nos adaptamos a toda esta realidade em permanente mudança, verificamos que estamos de alguma forma a viver uma primeira vida digital e que os europeus desejam soluções simples e seguras no que respeita às suas atividades bancárias e de pagamento”, afirma Mark Barnett, presidente da Mastercard Europa.

O interesse no digital banking e soluções móveis na Europa também varia, uma vez que se verificou que os mercados do Leste estão 13 pontos à frente quando comparados com seus homólogos da Europa Ocidental (57% versus 44%). Os inquiridos búlgaros (62%) foram os expressaram um maior interesse, enquanto os alemães e holandeses revelaram uma maior propensão em rejeitar as novas tecnologias financeiras e manifestaram satisfação na utilização de soluções bancárias e de pagamento tradicionais (17% e 18%, respetivamente).

O mais recente estudo da Mastercard sobre a evolução da banca aponta também que as prioridades sobre os atributos que os utilizadores querem ver nos serviços bancários online e nas soluções de pagamento móvel alteraram-se, pois valorizam mais uma disponibilidade elevada (+ nove pontos), atributos de lifestyle, (+ onze pontos) e custo-benefício (+ nove pontos), em comparação com 2019.

“A maioria (51%) também estipulou que a segurança era o elemento mais importante de uma solução de banca digital, possivelmente devido ao aumento de ciberataques sofisticados que dominaram as manchetes dos jornais nos últimos meses”, pode ler-se no “Mastercard Digital Banking Survey 2020”, divulgado esta quinta-feira.

Ler mais
Recomendadas

“Mercados em Ação”. “Novo Banco? Se fosse em 2013, isto tinha rebentado com o mercado para Portugal”

Nesta edição do programa da JE TV, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE), Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) e Pedro Lino, administrador da Optimize Investment Partners, analisaram o impacto do ‘travão’ parlamentar ao financiamento do Novo Banco.

BCE obriga bancos sistémicos a avaliarem antecipadamente o risco de incumprimento nos contratos em moratória

Há seis novas diretrizes do BCE aos bancos de importância sistémica e os CEO dos bancos têm de responder ao supervisor europeu até 31 de janeiro de 2021. O BCE diz que os bancos supervisionados devem realizar uma avaliação regular da improbabilidade de os créditos serem pagos, incluindo aqueles que estão protegidos pela moratória de pagamento, usando todas as informações relevantes e disponíveis.

Fusão do CaixaBank com o Bankia aprovada em assembleia geral

Criação do maior banco em Espanha está agora apenas dependente da aprovação das autoridades regulamentares competentes. Agência de notação financeira DBRS diz que os benefícios da fusão vão demorar tempo a serem atingidos e alerta para a deterioração do rácio de NPL do CaixaBank logo após a operação.
Comentários