Mais de 66 mil toneladas de amianto enterradas em aterros para resíduos não perigosos

98% de um total de 66.799,5 toneladas de residuos com amianto seguiram para aterros de residuos não perigosos.

Mais de 66 mil toneladas de residuos de construção e demolição (RCD) com amianto foram encaminhadas para aterro entre 2014 e 2016, notícia o ‘Jornal de Notícias” esta quarta-feira.

De acordo com o mais recente relatório da Comissão Técnica Amianto, presidida pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), 98% de um total de 66.799,5 toneladas de residuos com amianto seguiram para aterros de residuos não perigosos. Os dados desta comissão apontam que o setor da Construção continua a ser o setor de onde provém a maioria desse resíduos.

Segundo o JN, que cita o documento com os dados provisórios para 2017, os municípios foram responsáveis por apenas “1% do quantitativo global de RCD com amianto sujeitos a eliminação”, num total de 218,5 toneladas.

O balanço de três anos revela que a maioria dos resíduossão tratados como não perigosos. Para a associação ambiental Quercus, trata-se de uma situação que revela medidas economicistas e de falta de fiscalização.

 

Recomendadas

Deutsche Bank emite o seu primeiro ‘green bond’

A obrigação verde, de 500 milhões de euros, a seis anos tem um cupão de 1,375%. O banco alemão planeia alocar 200 mil milhões de euros em investimentos sustentáveis ​​até 2025.

Caiu hoje mais um helicóptero de combate aos incêndios, em Góis

Fontes do setor aeronáutico explicaram à agência noticiosa nacional que o helicóptero acidentado provocou um ferido ligeiro e está ao serviço da Proteção Civil, no âmbito do combate aos incêndios, e é operado pela empresa Helibravo.

Doca de Santo Amaro renova Bandeira Azul pelo quinto ano consecutivo

A APL – Administração do Porto de Lisboa, que gere este espaço ribeirinho junto ao Tejo, garante que “teve desde sempre como meta criar, desenvolver e potenciar condições e formatos que acompanham a atividade náutica, nomeadamente no melhoramento das condições e serviços disponibilizados aos utentes das suas docas de recreio”.
Comentários