Mais de 90% das imobiliárias registaram quebras no volume de negócios em abril

Inquérito da APEMIP revela que 50% das empresas inquiridas suspenderam totalmente a sua atividade, sendo que 45,8% optaram pela suspensão parcial.

Luis Lima, Presidente da APEMIP

Mais de 90% das imobiliárias portuguesas registaram quebras no volume de negócios e de procura por habitação no mês de abril. Este é um dos principais indicadores de um inquérito realizado junto das empresas de mediação imobiliária pela Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), divulgado esta quarta-feira, 6 de maio.

Este inquérito pretendeu compreender o impacto que a pandemia da Covid-19 teve neste setor durante o último mês, no qual 50% das empresas inquiridas suspenderam totalmente a sua atividade, sendo que 45,8% optaram pela suspensão parcial.

A quebra do volume de negócios foi sentida em 95,3% e a procura na ordem dos 92,5%. Além disso, 62,7% das mediadoras revelaram desistências dos clientes de negócios que estavam em curso e 19,8% destes chegaram mesmo a desistir da compra após celebração do Contrato de Promessa de Compra e Venda (CPCV).

O presidente da APEMIP, Luís Lima afirma que “estes números demonstram que a atividade esteve praticamente parada durante o mês de abril”. Ainda assim, o responsável mostra-se satisfeito com a reabertura da economia do país após o período de confinamento.

“Temos uma oportunidade da dinamização do mercado de arrendamento e do investimento para este setor (que se estima que cresça) e também uma janela de oportunidade na captação de não residentes para Portugal, que não sendo imediata poderá ser promovida pela generalização do teletrabalho e pela segurança que o País tem transmitido pela forma como está a lidar com esta crise sanitária” refere.

Luís Lima assume não ter ficado surpreendido com o facto de mais de metade das empresas  ter recorrido a alguma das medidas excecionais previstas pelo Estado. “Como podemos ver nos resultados deste inquérito, a quebra de receitas das empresas foi brutal e é natural que tenha havido necessidade em recorrer aos apoios promovidos, que não tenho dúvida de que ajudaram a garantir a sobrevivência de muitas empresas”, salienta.

Este inquérito foi realizado online entre 28 de abril e 4 de maio, e contou com a participação de cerca de 4.000 empresas de mediação imobiliária licenciadas a operar em Portugal.

Ler mais
Recomendadas

Marques Mendes: Governo está a demorar muito tempo a decidir sobre a TAP

O comentador político diz que a solução para a TAP no imediato vai passar por um empréstimo público ou um empréstimo privado com garantia de Estado, apontando que o Estado não vai integrar a Comissão Executiva, mas que os “poderes do Conselho de Administração serão reforçados”.

Luxair retoma voos para Faro com clientes luxemburgueses para hotéis do Grupo NAU

Cerca de 70 turistas do Luxemburgo ficaram alojados no o São Rafael Atlântico e o Salgados Dunas Suites, reabriram hoje, dia 31 de maio, as suas portas, e vão permanecer entre sete e 14 noites.

Centros comerciais vão reabrir amanhã à exceção da Área Metropolitana de Lisboa

Dos 94 centros comerciais associados da APCC, 35 são na Área Metropolitana de Lisboa, representando cerca de 50% do emprego deste subsetor de atividade.
Comentários