Mais de metade de Portugal em risco de desertificação extrema

Portugal foi um de oito países membros da União Europeia visitados por uma auditoria do Tribunal de Contas Europeu para avaliar a resposta da UE ao risco crescente de degradação e desertificação dos solos. Conclusão não é benéfica para o território nacional.

Mais de metade de Portugal continental corre o risco extremo de desertificação, mas a resposta a este risco “não está a ser eficaz e eficiente”, segundo um relatório do Tribunal de Contas Europeu.

Num relatório especial para o Parlamento Europeu, o Tribunal de Contas aponta para os efeitos nefastos da agricultura intensiva e da insistência em políticas desajustadas para o país como a insistência no regadio num país onde a água vai ser cada vez mais escassa, explica o comunicado enviado às redações esta terça feira.

Segundo o estudo, Portugal foi um de oito países membros da União Europeia visitados por uma auditoria do Tribunal de Contas Europeu para avaliar a resposta da UE ao risco crescente de degradação e desertificação dos solos. A conclusão: “Embora a desertificação e a degradação dos solos representem uma ameaça crescente, as medidas tomadas para combater a desertificação carecem de coerência e não existe uma visão harmonizada”.

No caso concreto de Portugal, o Tribunal de Contas Europeu critica a falta de sustentabilidade dos projetos.

O Tribunal refere ainda que o “Programa de Ação Nacional” de combate à desertificação, supostamente atualizado em 2014, ainda não foi publicado, e mesmo os projetos nacionais que apresentam resultados positivos não são replicados ou minimamente integrados numa visão estratégica para combater esta grave ameaça.

Este relatório reforça o que a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e outras organizações de ambiente têm vindo a dizer: ”esta não é uma questão para a biodiversidade, é uma ameaça grave para o nosso futuro com implicações a todos os níveis: do desaparecimento de espécies e habitats àa perda de solo, falta da água, e problemas de saúde pública”, lê-se no documento.

“É preciso procurar verdadeiras soluções para evitar que grande parte do nosso país se torne num deserto – soluções que passam por práticas verdadeiramente responsáveis e sustentáveis, não pela insistência em medidas de curto prazo e desajustadas como o regadio e a agricultura intensiva.” diz Joaquim Teodósio, Coordenador do Departamento Terrestre da SPEA.

Para a SPEA, Portugal tem de abandonar as monoculturas florestais e agrícolas intensivas. ”Tem de abandonar igualmente os regadios intensivos, que geram receitas milionárias para os investidores nos primeiros anos, mas não trazem emprego, nem qualidade de vida, e geram destruição e um passivo ambiental que será pago pelas gerações futuras. O nosso país tem de investir na floresta nativa, na agricultura diversificada, no pastoreio extensivo, nas variedades de plantas e nas raças de gado nativas, e valorizar a biodiversidade e o carácter único da sua paisagem. Só assim será possível gerar emprego e rendimento económico no mundo rural nos anos próximos e no futuro”, conclui.

Ler mais
Relacionadas

Alterações Climáticas: ”Por cada dólar investido em medidas de prevenção, poupa-se, em média, cinco dólares em esforços de recuperação”

Artur Lucas, Diretor de Comunicação e Marketing da Zurich Portugal reflete sobre a importância das empresas gerirem os impactos das alterações climáticas. Numa entrevista ao JE, o diretor sublinha que face às alterações climáticas, ”desenhar um novo equilíbrio que evite a vulnerabilidade das pessoas, famílias, comunidades, bens e das empresas é mais importante do que nunca”.

Acordo sobre novas regras de aplicação do Acordo de Paris é “equilibrado”, diz a Comissão Europeia

O ‘livro de regras’ (sobre o Acordo de Paris) é fundamental para tornar possível a ação em prol do clima e todos os níveis no mundo e o sucesso aqui também significa sucesso para o multilateralismo e a ordem global”, afirmou, Miguel Arrias Cañete

Falhar o combate contra o aquecimento global “não seria apenas imoral, seria suicida”, diz António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os representantes presentes na cimeira do ambiente que se não aumentarem os esforços em relação às alterações climática, os resultados serão “não apenas imorais, mas suicidas” para o planeta.
Recomendadas

Quercus diz que Portugal não consegue cumprir neutralidade carbónica com exploração de lítio

Relatório sobre o impacte de emissões de CO2 da mineração de lítio em Portugal, que será apresentado na segunda-feira, aponta que, se o Governo avançar com a campanha de exploração de lítio, “Portugal não vai conseguir cumprir a neutralidade carbónica”, revela responsável da Quercus.

António Costa sobre Amazónia: “O Brasil precisa de solidariedade e não de sanções”

“A Amazónia é um dos maiores pulmões do mundo e o que lá acontece é um problema global”, afirmou António Costa aos jornalistas, aquando de uma visita à Fatacil, em Lagoa.

Amazónia: Macron acusa Bolsonaro de mentir e diz-se contra o acordo UE-Mercosul

O Presidente de França, Emmanuel Macron, acusou esta sexta-feira o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, de mentir em matéria de compromissos ambientais e anunciou que, nestas condições, França vai votar contra o acordo de comércio livre UE-Mercosul.
Comentários