Mais de metade do PIB europeu vem de apenas três países

Portugal é o 14º país da lista e não ultrapassa os 1,2% do produto interno bruto europeu, que se fixou nos 14.800 mil milhões de euros em 2016.

Francois Lenoir/Reuters

O produto interno bruto (PIB) da União Europeia (UE) atingiu os 14.800 mil milhões de euros em 2016, sendo que mais de metade do valor foi gerado por três Estados-membros, de acordo com os dados publicados esta segunda-feira pelo Eurostat.

A Alemanha, o Reino Unido e França foram os países que mais contribuíram no ano passado para o bolo europeu. O PIB alemão representou mais de um quinto do total europeu (21,1%), o equivalente a 3.100 mil milhões de euros, em 2016, enquanto do Reino Unido vêm 16% do PIB e de França 15%. Itália, com 11,3%, e Espanha, com 7,5%, fecham o top das primeiras cinco posições.

Portugal não foi além da 14ª posição com uma contribuição de 1,2% do PIB, ou seja, 184.931 milhões de euros. A fechar a lista estão Malta, Chipre, Estónia, Letónia, Lituânia, Eslováquia, Eslovénia, Croácia, Bulgária, Luxemburgo e Hungria. Todos estes contribuem com menos de 1% do PIB para a UE.

Fonte: Eurostat

Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

OCDE admite que aumento da inflação pode persistir durante “algum tempo”

OCDE estima que os preços globais das ‘commodities’ em julho e agosto deste ano foram cerca de 55% mais altos do que no ano anterior. Organização admite que os aumentos dos preços das matérias-primas irá “demorar a desaparecer”.

Administradores de insolvência da Groundforce propõem manutenção da empresa

Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell indicam ainda que “se viu interposto recurso, por parte da devedora, da sentença que declarou a sua insolvência, o que, atento o disposto no art.º 209.º, n.º 2, do CIRE, levará a que a nova assembleia de credores para discutir e votar o plano possa não vir a reunir no ‘timing’ que seria desejável”.
Comentários