Mais de mil empresas brasileiras recebem apoio para negócios no exterior

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Confederação Nacional da Indústria querem acelerar a internacionalização nas firmas locais.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) fecharam uma parceria para oferecer auxílio a empresas com vista a promover seus negócios no exterior. A ação pretende beneficiar mais de 1,7 mil firmas de todo o país.

Segundo a Apex, nos próximos dois anos serão promovidas 40 ações de apoio de inserção no comércio internacional, em frentes como a prospeção de mercados em outros países e rodadas com compradores estrangeiros para buscar ampliar a exportação das organizações selecionadas para o projeto.

Pelo menos oito ações devem ser realizadas ainda em 2019. Entre elas estão viagens a duas feiras internacionais na Alemanha, Anuga e K, e outra missão à feira CIEE, na China. Segundo os organizadores, até dezembro deverão ser organizados encontros com compradores internacionais em cidades brasileiras.

No total, deverão ser investidos 13 milhões de reais nas diversas fases da iniciativa. Como meta, os organizadores esperam que o conjunto de estratégias previstas para fomentar a internacionalização das firmas participantes gerem até 350 milhões de reais (cerca de 76 milhões de euros) em novos negócios feitos com empresas estrangeiras.

De acordo com a Apex, desde 2013 mais de 4,5 mil empresas foram apoiadas por medidas semelhantes. Os projetos realizados resultaram em um volume de recursos de mais de 2,5 mil milhões de dólares (o equivalente a cerca de 2,2 mil milhões de euros).

Recomendadas

Setor de comércio e serviços pede prolongamento do layoff e perdão de rendas

A CCP também aponta que a exigência de certidões de não dívida não faz sentido neste momento em que as empresas enfrentam dificuldades, defendendo que deixe de constituir condição para a “candidatura a qualquer concurso público”.

CFP alerta para impacto “desconhecido” no capital do Novo Banco da litigância com o Fundo de Resolução

No relatório “Perspetivas económicas e orçamentais 2020-2022”, o CFP diz que “existe um risco adicional para as finanças públicas caso o rácio de capital total do Novo Banco se situe abaixo do requisito estabelecido pelas autoridades de supervisão”. Nesta situação, o Estado Português poderá ter de disponibilizar fundos adicionais de forma a que o banco cumpra os requisitos regulatórios. É a chamada Capital Backstop que foi autorizada por Bruxelas para casos “extremos”. O CFP alerta para incógnita sobre o impacto no capital do banco do diferendo na contabilização das IFRS 9.

Extensão das moratórias até 31 de março de 2021 vai hoje a Conselho de Ministros

Proposta das Finanças prevê extensão das moratórias públicas até março de 2021 e o alargar os créditos que poderão beneficiar do regime, como créditos para segunda casa e crédito ao consumo para financiar educação.
Comentários