“Mais ondas de calor” e “secas extremas”. Mediterrâneo aquece mais do que a média global

Primeiro estudo cientifico sobre o aquecimento na bacia do Mediterrâneo não tem conclusões animadoras. Vêm aí mais ondas de calor, “mais significativas e duradouras” e “secas extremas serão mais frequentes”.

A UpM – União para o Mediterrâneo alerta que, de acordo com o mais recente relatório (e este foi o primeiro a analisar o aquecimento na região) registou-se um aumento da temperatura na bacia mediterrânica de 1,5 graus Celsius em comparação com os níveis pré-industriais, o que significa que o aquecimento nesta bacia é 20% mais rápido do que na média do planeta, afetando 500 milhões de pessoas de três continentes.

Se não forem tomadas medidas, a temperatura pode aumentar 2,2 graus Celsius até 2040 e ultrapassar os 3,8 graus em algumas zonas até 2100. Além disso, em apenas duas décadas, 250 milhões de pessoas sofrerão com a falta de água na região devido às secas.

O mapa que acompanha a notícia do El País mostra como Portugal também sofrerá com estes aumentos: por todo o Norte do país, no Centro e parte do Sul Interior, a temperatura subirá 2 a 3 graus e, na faixa costeira do Oeste e Sul, o aumento será entre 1,5 e 2 graus.

Com o aquecimento médio desta região, prevê-se que os níveis médios de precipitação baixem 4% na maior parte da região mediterrânica, em particular no Sul. Baixos níveis de precipitação, resultam em maiores períodos de seca que podem afetar não só a agricultura como também o acesso à água.  Num cenário de aquecimento de dois graus Celsius, a disponibilidade de água doce diminuirá entre dois e 15%, um dos maiores decréscimos do mundo. Mais pessoas serão classificadas como “pobres em água” (ter a acesso a menos do que 1000 metros cúbicos per capita por ano). Em 2013, eram 180 milhões. Prevê-se que nos próximos 20 anos sejam 250 milhões.

Para o desenvolvimento deste relatório, que teve inicio em 2015, foram necessários mais de 80 investigadores da rede de Especialistas em Alterações Climáticas e Ambientais do Mediterrâneo (MedEcc). Na introdução do documento intitulado “Riscos associados às mudanças climáticas e às mudanças ambientais na região do Mediterrâneo”, lê-se que os países da bacia do Mediterrâneo, em especial os do Sul, não possuem actualmente a informação adequada para adoptar medidas que reduzam os riscos associados às alterações climáticas. A versão final deverá ser apresentada no início de 2020.

 

Relacionadas

Crise hídrica em Portugal já é um cenário real

No Dia Nacional da Água relembramos o papel essencial que este recurso tem para a vida humana. O World Resources Institute estima que, em 2040, Portugal ocupe a 44º posição na lista de países que enfrentará níveis elevados de ‘stress hídrico’

Especialistas deixam alerta: escassez de água já afeta um quarto da população mundial

Nos 17 países que enfrentam uma escassez de água extremamente alta, os especialistas constataram que a agricultura, a indústria e os municípios estavam a utilizar até 80% das águas superficiais e subterrâneas disponíveis num ano médio.

Retrato de uma tragédia anunciada: o futuro reserva mais inundações, mais tempestades tropicais e menos glaciares

Novo relatório de 900 páginas do IPCC revela uma situação preocupante para o planeta terra. O estudo compila as descobertas de milhares de estudos científicos e descreve os danos que as alterações climáticas já causaram aos vastos oceanos do planeta e às frágeis camadas de gelo, prevendo um futuro trágico para essas partes cruciais do sistema climático.
Recomendadas

Havaianas lançam sistema de retoma para reciclagem de chinelos antigos

O sistema de retoma permite a reciclagem de chinelos velhos, usados e estragados nas próprias lojas das marcas e nos parceiros retalhistas.

Manifesto para acelerar o processo de descarbonização assinado por 82 empresas, das quais 11 do PSI-20

Mais de 80 empresas portuguesas assinaram o manifesto “Rumo à COP26” promovido pelo BCSD Portugal – Business Council for Sustainable Development Portugal, das quais se destaca o Millennium BCP, a EDP; a Galp; a Navigator, a Altri, a Sonae e a Jerónimo Martins no PSI-20 e Brisa, Cimpor, Finerge, Fidelidade, Santander, Águas de Portugal, entre outros, fora do índice bolsista.

Zero dá parecer negativo a EIA da Mina do Barroso por “evidentes impactos ambientais”

“Inevitavelmente, a mina terá um forte impacte nas características locais, assim como na imagem de uma região e, muito provavelmente, na própria classificação”, refere a Zero, lembrando que as características intrínsecas daquele território valeram a classificação de Património Agrícola Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.
Comentários