“Mais ondas de calor” e “secas extremas”. Mediterrâneo aquece mais do que a média global

Primeiro estudo cientifico sobre o aquecimento na bacia do Mediterrâneo não tem conclusões animadoras. Vêm aí mais ondas de calor, “mais significativas e duradouras” e “secas extremas serão mais frequentes”.

A UpM – União para o Mediterrâneo alerta que, de acordo com o mais recente relatório (e este foi o primeiro a analisar o aquecimento na região) registou-se um aumento da temperatura na bacia mediterrânica de 1,5 graus Celsius em comparação com os níveis pré-industriais, o que significa que o aquecimento nesta bacia é 20% mais rápido do que na média do planeta, afetando 500 milhões de pessoas de três continentes.

Se não forem tomadas medidas, a temperatura pode aumentar 2,2 graus Celsius até 2040 e ultrapassar os 3,8 graus em algumas zonas até 2100. Além disso, em apenas duas décadas, 250 milhões de pessoas sofrerão com a falta de água na região devido às secas.

O mapa que acompanha a notícia do El País mostra como Portugal também sofrerá com estes aumentos: por todo o Norte do país, no Centro e parte do Sul Interior, a temperatura subirá 2 a 3 graus e, na faixa costeira do Oeste e Sul, o aumento será entre 1,5 e 2 graus.

Com o aquecimento médio desta região, prevê-se que os níveis médios de precipitação baixem 4% na maior parte da região mediterrânica, em particular no Sul. Baixos níveis de precipitação, resultam em maiores períodos de seca que podem afetar não só a agricultura como também o acesso à água.  Num cenário de aquecimento de dois graus Celsius, a disponibilidade de água doce diminuirá entre dois e 15%, um dos maiores decréscimos do mundo. Mais pessoas serão classificadas como “pobres em água” (ter a acesso a menos do que 1000 metros cúbicos per capita por ano). Em 2013, eram 180 milhões. Prevê-se que nos próximos 20 anos sejam 250 milhões.

Para o desenvolvimento deste relatório, que teve inicio em 2015, foram necessários mais de 80 investigadores da rede de Especialistas em Alterações Climáticas e Ambientais do Mediterrâneo (MedEcc). Na introdução do documento intitulado “Riscos associados às mudanças climáticas e às mudanças ambientais na região do Mediterrâneo”, lê-se que os países da bacia do Mediterrâneo, em especial os do Sul, não possuem actualmente a informação adequada para adoptar medidas que reduzam os riscos associados às alterações climáticas. A versão final deverá ser apresentada no início de 2020.

 

Ler mais
Relacionadas

Crise hídrica em Portugal já é um cenário real

No Dia Nacional da Água relembramos o papel essencial que este recurso tem para a vida humana. O World Resources Institute estima que, em 2040, Portugal ocupe a 44º posição na lista de países que enfrentará níveis elevados de ‘stress hídrico’

Especialistas deixam alerta: escassez de água já afeta um quarto da população mundial

Nos 17 países que enfrentam uma escassez de água extremamente alta, os especialistas constataram que a agricultura, a indústria e os municípios estavam a utilizar até 80% das águas superficiais e subterrâneas disponíveis num ano médio.

Retrato de uma tragédia anunciada: o futuro reserva mais inundações, mais tempestades tropicais e menos glaciares

Novo relatório de 900 páginas do IPCC revela uma situação preocupante para o planeta terra. O estudo compila as descobertas de milhares de estudos científicos e descreve os danos que as alterações climáticas já causaram aos vastos oceanos do planeta e às frágeis camadas de gelo, prevendo um futuro trágico para essas partes cruciais do sistema climático.
Recomendadas

FCT da Universidade de Coimbra reduz pegada de carbono com mais de 1.800 painéis fotovoltaicos

As obras de instalação dos mais de 1.800 painéis fotovoltaciso tiveram o apoio financeiro do Banco Santander-Totta.

Cerca de 70% das emissões carbónicas do setor energético não paga imposto, denuncia OCDE

Num relatório publicado hoje, a organização destaca que além dos combustíveis usados em transporte rodoviário, só 18% do resto das emissões tem algum tipo de taxas aplicadas.

Iberdrola negoceia fusão da subsidiária norte-americana com a PPL

Se as duas energéticas unirem operações, formar-se-á uma das maiores concessionárias de serviços públicos nos Estados Unidos da América, com cerca de 61 mil milhões em ativos sob gestão.
Comentários