“Mais ondas de calor” e “secas extremas”. Mediterrâneo aquece mais do que a média global

Primeiro estudo cientifico sobre o aquecimento na bacia do Mediterrâneo não tem conclusões animadoras. Vêm aí mais ondas de calor, “mais significativas e duradouras” e “secas extremas serão mais frequentes”.

A UpM – União para o Mediterrâneo alerta que, de acordo com o mais recente relatório (e este foi o primeiro a analisar o aquecimento na região) registou-se um aumento da temperatura na bacia mediterrânica de 1,5 graus Celsius em comparação com os níveis pré-industriais, o que significa que o aquecimento nesta bacia é 20% mais rápido do que na média do planeta, afetando 500 milhões de pessoas de três continentes.

Se não forem tomadas medidas, a temperatura pode aumentar 2,2 graus Celsius até 2040 e ultrapassar os 3,8 graus em algumas zonas até 2100. Além disso, em apenas duas décadas, 250 milhões de pessoas sofrerão com a falta de água na região devido às secas.

O mapa que acompanha a notícia do El País mostra como Portugal também sofrerá com estes aumentos: por todo o Norte do país, no Centro e parte do Sul Interior, a temperatura subirá 2 a 3 graus e, na faixa costeira do Oeste e Sul, o aumento será entre 1,5 e 2 graus.

Com o aquecimento médio desta região, prevê-se que os níveis médios de precipitação baixem 4% na maior parte da região mediterrânica, em particular no Sul. Baixos níveis de precipitação, resultam em maiores períodos de seca que podem afetar não só a agricultura como também o acesso à água.  Num cenário de aquecimento de dois graus Celsius, a disponibilidade de água doce diminuirá entre dois e 15%, um dos maiores decréscimos do mundo. Mais pessoas serão classificadas como “pobres em água” (ter a acesso a menos do que 1000 metros cúbicos per capita por ano). Em 2013, eram 180 milhões. Prevê-se que nos próximos 20 anos sejam 250 milhões.

Para o desenvolvimento deste relatório, que teve inicio em 2015, foram necessários mais de 80 investigadores da rede de Especialistas em Alterações Climáticas e Ambientais do Mediterrâneo (MedEcc). Na introdução do documento intitulado “Riscos associados às mudanças climáticas e às mudanças ambientais na região do Mediterrâneo”, lê-se que os países da bacia do Mediterrâneo, em especial os do Sul, não possuem actualmente a informação adequada para adoptar medidas que reduzam os riscos associados às alterações climáticas. A versão final deverá ser apresentada no início de 2020.

 

Ler mais
Relacionadas

Crise hídrica em Portugal já é um cenário real

No Dia Nacional da Água relembramos o papel essencial que este recurso tem para a vida humana. O World Resources Institute estima que, em 2040, Portugal ocupe a 44º posição na lista de países que enfrentará níveis elevados de ‘stress hídrico’

Especialistas deixam alerta: escassez de água já afeta um quarto da população mundial

Nos 17 países que enfrentam uma escassez de água extremamente alta, os especialistas constataram que a agricultura, a indústria e os municípios estavam a utilizar até 80% das águas superficiais e subterrâneas disponíveis num ano médio.

Retrato de uma tragédia anunciada: o futuro reserva mais inundações, mais tempestades tropicais e menos glaciares

Novo relatório de 900 páginas do IPCC revela uma situação preocupante para o planeta terra. O estudo compila as descobertas de milhares de estudos científicos e descreve os danos que as alterações climáticas já causaram aos vastos oceanos do planeta e às frágeis camadas de gelo, prevendo um futuro trágico para essas partes cruciais do sistema climático.
Recomendadas

Chevron valoriza mais de 10% na Bolsa de Nova Iorque depois de ter suspendido produção de petróleo em Cabinda

A estratégia seguida pelo presidente e CEO da petrolífera Chevron, Michael Wirth, para enfrentar a crise gémea da Covid-19 e da guerra de cotações no petróleo vai além da suspensão da produção em blocos offshore, como aconteceu em Cabinda, Angola. Passa pela forte redução dos investimentos e pela venda de ativos, como é o caso das participações no Azerbaijão, que devem ser vendidas em abril.

Colapso da procura de petróleo equivale a um quinto do consumo global

A agência Bloomberg avança com um intervalo de valores que é credível para os traders do sector: o colapso da procura pode quantificar-se num quinto do consumo global, o que corresponde ao intervalo entre 10 e 20 milhões de barris por dia. Na crise petrolífera de 1980, a contração foi de 2,6 milhões de barris por dia.

Petróleo em mínimos de 18 anos leva o Kremlin a declarar que “está muito barato”

Com os futuros do Brent e do WTI a serem negociados, respectivamente, a 26,24 e 23,08 dólares por barril, a Rússia dá indicações – pela primeira vez na crise do Covid-19 – de que chegou ao limite da sua tolerância à descida dos preços do ouro negro.
Comentários