Mais otimista, Católica vê economia portuguesa a crescer 1% este ano (com áudio)

Os economistas da Católica projetam que o PIB tenha recuado 5% em cadeia e cerca de 7% em termos homólogos no primeiro trimestre, devido ao confinamento. Contudo, melhorou as projeções para a totalidade do ano e não descarta uma recuperação mais forte.

Rafael Marchante/Reuters

A Católica está mais otimista sobre o desempenho economia portuguesa neste ano, depois de em janeiro ter antecipado uma quebra do Produto Interno Bruto (PIB) de 2%. Na atualização das projeções económicas, publicadas esta quarta-feira, o Católica Lisbon Forecasting Lab | NECEP vê a economia a crescer 1% este ano, apesar da esperar uma contração de 5% em cadeia ou cerca de 7% na variação homóloga no primeiro trimestre.

“Para o conjunto do ano de 2021, o cenário central é agora de crescimento em torno de 1%, uma revisão em alta de 3 pontos percentuais face ao ponto central da previsão anterior (-2%)”, explica o grupo coordenado por João Borges de Assunção, que justifica com uma contração do PIB inferior ao anteriormente previsto no ano passado e com a estimativa da contração do PIB no primeiro trimestre estar próxima do limiar superior das simulações anteriores do NECEP.

Para o primeiro trimestre, os economistas da Católica antecipam que a economia tenha contraído 5% em cadeia ou cerca de 7% na variação homóloga, ainda que alertem que existe “bastante incerteza neste cálculo dado que alguns indicadores, como a produção industrial ou as vendas de cimento, sugerem quebras relativamente pequenas, enquanto outros, como as operações na rede Multibanco, as vendas de combustíveis ou o volume de negócios nos serviços, apontam para quebras substantivas”, considerando que “a economia portuguesa deve ter operado a cerca de 90% do nível do quarto trimestre de 2019, o último período «normal» antes da pandemia”.

Ainda assim para a totalidade do ano mostram-se mais otimistas e assinalam que “a hipótese de crescimento mais forte não pode ser excluída à partida, dado que o terceiro trimestre do ano passado ilustra bem a possibilidade de uma recuperação rápida quando se aliviam as medidas de confinamento”.

O NECEP extrapola ainda para um cenário pessimista uma contração de 2% e para um cenário otimista um crescimento de 4% este ano. Já para 2022 e 2023, espera uma crescimento, ainda que “menor do que aquele que permitiria regressar, de forma expedita, ao nível do PIB do quarto trimestre de 2019”. No cenário central para 2022 vê a economia a avançar 4,5%, “por via da baixa probabilidade de confinamento nesse ano”, e de 3,5% em 2023, com o PIB a regressar ao nível de 2019.

“A economia portuguesa permanece num ambiente de elevada incerteza associada à evolução da pandemia, da administração de vacinas e das medidas de confinamento. As previsões de curto prazo dependem, acima de tudo, da severidade das medidas de confinamento adotadas ou ainda a adotar em 2021”, vincam, considerando que “o ambiente político, mediático e social é favorável a confinamentos severos caso se vislumbre uma deterioração significativa nos indicadores sanitários diários da pandemia, com o cenário central de crescimento fraco do PIB em 2021 a refletir o valor esperado desse efeito”.

NECEP estima subida de taxa de desemprego para 7,3% no primeiro trimestre

Os economistas da Católica projetam ainda que a taxa de desemprego deverá ter subido para 7,3% no primeiro trimestre, o que consideram ser “um aumento relativamente contido, em parte devido à velocidade com que o Governo aplicou medidas de apoio à manutenção do emprego a partir de novembro de 2020 e de forma mais intensa desde janeiro do corrente ano”.

Para a totalidade do ano, consideram provável o aumento da taxa de desemprego para valores entre 7,2% e 8% com um ponto central de 7,6%.

Ler mais

Recomendadas

Confederação do Turismo: abertura do corredor turístico com Reino Unido é “ótima notícia”

Questionado se está preocupado que a forte afluência de turistas nesta fase possa fazer aumentar o número de novas infeções por covid-19, o presidente da CTP afirmou que não, sustentando que tal se deve ao facto de “todos os turistas, sem exceção,” terem de apresentar “um teste negativo realizado nas 48 horas anteriores” a desembarcarem em qualquer um dos aeroportos nacionais.

Portugal recebe 55,5 milhões de euros de Fundo de Solidariedade da UE após novo aval do PE

Em causa está um ‘bolo’ total de 484,2 milhões de euros do Fundo de Solidariedade da União Europeia para ajudar regiões europeias atingidas por catástrofes, dos quais 397,5 milhões de euros se destinam a 17 países da UE e três países candidatos para enfrentarem a Covid-19.

Merlin vai investir 150 milhões de euros na plataforma logística de Castanheira do Ribatejo

Na cerimónia de inauguração deste emprendimento logístico, que contou com a presença do presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, o CEO da Merlin Properties revelou que o grupo dispõe de um total de ativos sob gestão que já ascendem a cerca de 12 mil milhões de euros, gerando um rendimento anual de cerca de 500 milhões de euros
Comentários