Mais um passo no estudo da diabetes

Investigadores da Universidade de Coimbra vão estudar três novos marcadores para identificar alterações nesta doença.

Todos os investigadores são movidos por princípios éticos, pelo entusiasmo e paixão nas suas áreas, mas não menos importante, pela diferença que podem fazer na vida das pessoas que possam vir a beneficiar das suas descobertas científicas.

Neste projeto de natureza interdisciplinar, uma das prioridades tem sido criar condições para influenciar positivamente a qualidade de vida de mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. Conforme explica Miguel Castelo-Branco, coordenador do estudo científico que junta vários grupos de investigação da Universidade de Coimbra (UC), “este projeto permitirá identificar marcadores precoces de complicações da diabetes, com impacto claro na qualidade de vida dos doentes”.

A equipa de investigação da UC planeia recorrer à inteligência artificial e, através desta, “potenciar a deteção precoce” das alterações no organismo dos doentes diabéticos.
Além do coordenador Miguel Castelo-Branco, fazem parte da equipa os investigadores Leonor Gomes, Carolina Moreno, Paulo Matafome e Bruno Manadas.
Este projeto viu ser-lhe atribuído um financiamento no valor de 100 mil euros pela Fundação Europeia para o estudo da Diabetes. Mais uma etapa vencida nesta importante luta.

Recomendadas

Ministro da Educação: “A nossa prioridade é voltar à escola”

No Parlamento, Tiago Brandão Rodrigues voltou a defender esta quarta-feira, que as escolas são locais seguros, mas não avançou data para o regresso. Revelou que nos testes a três mil alunos do secundário e funcionários antes da interrupção letiva nos concelhos de risco, foram detetados 25 casos de Covid-19.

Professores portugueses para escolas timorenses devem chegar em março

Os 108 professores juntam-se a outros 33 que já estão em Timor-Leste, destacados nos Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), um projeto luso-timorense para a requalificação do ensino timorense em língua portuguesa.

Alunos regressam esta segunda-feira ao ensino a distância

As escolas tanto públicas como privadas, alteraram alguns procedimentos e estão, no geral, mais bem preparados, mas os diretores e os sindicatos de professores admitem que os problemas estão longe de resolvidos. Computadores e dificuldades no acesso à internet na lista do que está em falta.
Comentários