Mais um passo no estudo da diabetes

Investigadores da Universidade de Coimbra vão estudar três novos marcadores para identificar alterações nesta doença.

Todos os investigadores são movidos por princípios éticos, pelo entusiasmo e paixão nas suas áreas, mas não menos importante, pela diferença que podem fazer na vida das pessoas que possam vir a beneficiar das suas descobertas científicas.

Neste projeto de natureza interdisciplinar, uma das prioridades tem sido criar condições para influenciar positivamente a qualidade de vida de mais de 400 milhões de pessoas em todo o mundo. Conforme explica Miguel Castelo-Branco, coordenador do estudo científico que junta vários grupos de investigação da Universidade de Coimbra (UC), “este projeto permitirá identificar marcadores precoces de complicações da diabetes, com impacto claro na qualidade de vida dos doentes”.

A equipa de investigação da UC planeia recorrer à inteligência artificial e, através desta, “potenciar a deteção precoce” das alterações no organismo dos doentes diabéticos.
Além do coordenador Miguel Castelo-Branco, fazem parte da equipa os investigadores Leonor Gomes, Carolina Moreno, Paulo Matafome e Bruno Manadas.
Este projeto viu ser-lhe atribuído um financiamento no valor de 100 mil euros pela Fundação Europeia para o estudo da Diabetes. Mais uma etapa vencida nesta importante luta.

Recomendadas

Católica-Lisbon: 17,6 foi nota mínima de entrada em Economia e Gestão

A corrida aos cursos da escola de negócios liderada por Filipe Santos foi grande. Resultado? As notas de entrada para o ano letivo 2020/21 subiram.

Mestrados de Finanças e Gestão da Nova SBE integram top 50 do mundo

A escola de Daniel Traça obtém ainda um 16º. lugar com o mestrado em Gestão Internacional da Aliança CEMS, que integra com 32 escolas de gestão. No QS World University Ranking 2021 figuram também mestrados da Católica-Lisboa, Faculdade de Economia do Porto e ISCTE-IUL.
Foto: European Inventor Award 2016

Portuguesa Elvira Fortunato vence Horizon Impact Award 2020

A inovação da cientista e Vice-reitora da Universidade Nova de Lisboa permitiu desenvolver o primeiro écran produzido com materiais sustentáveis, já comercializado por diversas empresas.
Comentários