Malásia vai devolver três mil toneladas de plástico aos países de origem

“Estamos a pedir aos países desenvolvidos que revejam a sua gestão de resíduos plásticos e parem de enviar lixo para países em desenvolvimento”, explicou a ministra do Ambiente da Malásia. Os resíduos plásticos vão ser devolvidos a 14 países.

Na temática do ambiente e das alterações climáticas, os plásticos são um dos principais problemas. A Malásia recebe grande parte do lixo reciclado e reaproveitado, mas o país já garantiu que vai desenvolver esses resíduos aos países de origem. Em causa estão perto de três mil toneladas de plástico que não podem ser reciclados, de acordo com a ministra do Ambiente malaia.

Yeo Bee Yin, ministra da Energia, Tecnologia, Ciência e Ambiente da Malásia, afirmou que 60 contentores de lixo vão ser devolvidos aos países em questão, uma vez que foram importados de forma ilegal. “Estes contentores foram trazidos ilegalmente para a Malásia sob falsa declaração, e outros delitos, que claramente violam a nossa lei ambiental”, ressalvou a governante, depois de uma inspeção.

As autoridades do país do sudeste asiático identificaram a origem dos contentores – de 14 países, entre os quais os Estados Unidos, Japão, França, Canadá, Austrália, Reino Unido e Espanha. O lixo tinha como destino a Malásia devido às fábricas de reciclagem que se instalaram no país.

Segundo a ministra, uma empresa de reciclagem com sede britânica, exportou perto de 50 mil toneladas plástico durante os últimos dois anos. Yeo Bee Yin avançou à agência noticiosa “Reuters” que vai comunicar com os respetivos governos por via diplomática, para que se investiguem as empresas em causa, apesar de não revelar os seus nomes.

“Estamos a pedir aos países desenvolvidos que revejam a sua gestão de resíduos plásticos e parem de enviar lixo para países em desenvolvimento”, disse Yeo Bee Yin.

A ministra malaia assegurou que, caso seja enviado plástico não reciclável para a Malásia, este vai ser devolvido sem burocracia, Já não é a primeira vez que a Malásia o fez, tendo em conta que chegou a devolver cinco contentores a Espanha.

Entre janeiro e julho de 2018, a Malásia conseguiu importar quase meio milhão de toneladas de dez países diferentes. Durante o ano de 2017 a Malásia importou 316.600 toneladas, sendo que apenas no primeiro semestre de 2018, estas importações alcançaram as 456 mil toneladas de lixo plástico.

As Filipinas decidiram seguir o exemplo da vizinha. O presidente filipino ordenou que se contratasse uma empresa de navegação para enviar 69 contentores de lixo para o Canadá, e caso as autoridades canadianas não os aceitassem podiam deixá-los em águas territoriais.

No mês dedicado à reciclagem, 180 países concordaram alterar a Convenção de Basileia para tornar o comércio de resíduos plásticos mais transparente e com uma regulamentação mais clara. Pelo presidente norte-americano, Donald Trump, não acreditar no aquecimento global e nos efeitos nocivos que os plásticos têm no mundo, os Estados Unidos não ratificaram o pacto, embora sejam o maior exportador deste tipo de resíduos.

Ler mais
Recomendadas

País tem este ano 68 praias Zero Poluição e nenhuma fica no interior

As praias Zero Poluição, da associação Zero, representam 11% do total das 621 zonas balneares em funcionamento.

Governo reforça apoio a sapadores florestais com 3,5 milhões de euros

“O Fundo Florestal Permanente vai passar a pagar às organizações de produtores florestais e aos municípios que têm brigadas de sapadores florestais” mais 3,5 milhões de euros por ano, disse o secretário de Estado João Catarino.

Empresas assumem compromisso de serem mais sustentáveis

Celebra-se esta sexta-feira o Dia Mundial do Ambiente. Líderes das grandes empresas do setor das energias renováveis olham para a transição energética como uma oportunidade para inovar e expandir o seu modelo de negócio e operações.
Comentários