“Ninguém nos quis ouvir”. Serviços de inteligência dos EUA queixam-se de que foram ignorados sobre talibã (com áudio)

Um alerta recente dos serviços norte-americanos avisava que Cabul poderia ficar isolada no espaço de 30 a 60 dias e que poderia cair para os talibã no espaço de 90 dias, mas a queda da capital afegã aconteceu mais depressa do que o previsto.

Líderes talibã

“Não nos quiseram ouvir. Os líderes norte-americanos foram avisados pelos militares de que os talibã conquistariam tudo rapidamente”.

É assim que uma fonte dos serviços de inteligência dos Estados Unidos da América descreve como o poder político foi avisado para os riscos da saída do exército norte-americano do país.

Segundo várias fontes dos serviços de inteligência dos EUA, houve vários alertas sobre o poderio dos talibã que se intitulam de Emirado Islâmico do Afeganistão.

Os alertas chegaram a recordar inclusivamente a queda de Saigão em 1975, quando as forças comunistas do Vietname do Norte invadiram a cidade do sul do país, obrigando os diplomatas norte-americanos a deixar rapidamente a embaixada, recorrendo a helicópteros, num momento imortalizado em fotografia. Recorde-se que a guerra do Vietname tinha terminado dois anos antes com a saída do exército dos Estados Unidos do país após a assinatura dos acordos de paz de Paris.

Outro parecer que veio a público recentemente alertava que a capital Cabul poderia ficar isolada no espaço de 30 a 60 dias e que poderia cair para os talibã no espaço de 90 dias, segundo a “ABC News”.

A embaixada dos EUA em Cabul foi evacuada e soldados norte-americanos regressaram ao país para assegurar a segurança do aeroporto da capital por onde milhares de pessoas têm deixado o Afeganistão.

Várias fontes também disseram à “ABC” que foi um erro o anúncio prévio de retirada do país por parte de Donald Trump e de Joe Biden, por poder ter tido o efeito de impulsionar a ofensiva talibã.

“O que está a acontecer no Afeganistão não é o resultado de uma falha de inteligência. É o resultado de várias políticas falhadas por várias administrações. De todos os intervenientes ao longo dos anos, a comunidade de inteligência é de longe a que tem avaliado melhor a situação no Afeganistão”, segundo o antigo diretor da CIA Michael Morell.

O exército dos EUA tinha retirado oficialmente do país a 4 de julho, 20 anos depois de ter derrubado o regime talibã/Al-Qaeda em resposta aos ataques do 11 de setembro às Torres Gémeas, em Nova Iorque. Em duas décadas, os EUA investiram mais de 83 mil milhões de dólares a treinar soldados e a equipar o exército afegão.

Relacionadas

Respostas rápidas: O que precisa saber sobre o regresso dos talibã ao poder no Afeganistão

Depois da invasão a Cabul agora restam algumas dúvidas sobre o futuro dos afegãos, principalmente das mulheres que são duramente reprimidas neste regime. O Jornal Económico selecionou algumas questões para melhor compreender o que está em causa no Afeganistão.

Voos de repatriamento retomados no aeroporto de Cabul (com áudio)

“A pista do aeroporto internacional de Cabul está aberta. Vejo aviões a pousar e decolar”, relatou Stefano Pontecorvo, representante civil da NATO.

“Cobertas da cabeça aos pés e sempre acompanhadas por homens”. As regras dos talibãs para oprimir as mulheres no Afeganistão

No caso de quebrarem as regras as mulheres podem vir a ser punidas por métodos que incluem espancamentos e morte por apedrejamento. O regime talibã também foi responsável por violações, sequestro e casamento forçado.
Recomendadas

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.

PSD vai votar contra o OE2022. “Não tem uma estratégia de longo prazo”, critica Rui Rio (com áudio)

Segundo o líder social democrata, a versão proposta de Orçamento do Estado para 2022 “não privilegia aquilo que é importante que é justamente o apoio ao tecido produtivo”.

Parlamento chumba comissão de inquérito ao acidente com carro de Eduardo Cabrita (com áudio)

Na votação, o PS, BE, PCP, Os Verdes, PSD e PAN e ainda a deputada independente Joacine Katar-Moreira votaram contra a proposta do Chega, inviabilizando-a.
Comentários