Manifestantes bloqueiam acessos à capital do Líbano

Insatisfeitos com o impasse político e com a inflação galopante, cada vez mais libaneses estão a juntar-se aos protestos. As ordens são para que polícias e militares não estejam com contemplações.

REUTERS/Mohamed Azakir

No Líbano – país envolvido numa profunda crise política e económica que as explosões de agosto do ano passado colocaram ainda mais em evidência – várias dezenas de manifestantes bloquearam os acessos por estrada à capital, Beirute, como forma de mostrarem a sua indignação pelo impasse que os dirigentes do país não conseguem ultrapassar.

As manifestações causaram congestionamentos – nomeadamente no sector da saúde, com alguns hospitais a reportarem falhas no abastecimento de oxigénio para os doentes com Covid-19. As manifestações desta segunda-feira sucedem-se a outras iniciativas semelhantes levadas a cabo nos últimos dias – e surgem como resposta à mais imediata desvalorização da moeda (com uma inflação galopante) e às disputas políticas entre grupos rivais, que atrasaram a formação de um novo governo.

Citado pelos jornais, o presidente Michel Aoun criticou as manifestações, chamando-lhes “atos organizados de sabotagem que visam minar a estabilidade do país”. E acrescentou que o exército e a polícia “devem cumprir plenamente as suas funções e fazer cumprir a lei sem hesitação” – o quer dizer que as forças de segurança terão ordens para endurecer as suas posições.

As manifestações começaram às primeiras horas da manhã, com pequenos grupos de manifestantes a bloquearem as entradas sul, norte e leste de Beirute com pneus em chamas e veículos a cortar a passagem. Os soldados abriram algumas estradas, mas os manifestantes regressaram e voltaram a bloqueá-las.

Na vila de Abbasiyeh, ao sul do Líbaro, há notícia de um homem que se regou com gasolina e tentou incendiar-se como forma de protesto, mas as forças de segurança intervieram a tempo de o impedir.

Dezenas de milhares de pessoas perderam os empregos no ano passado no meio da maior crise económica em décadas. De acordo com o Banco Mundial, a crise pode levar mais da metade da população do Líbano à pobreza.

No passado sábado, o primeiro-ministro interino, Hassan Diab, advertiu que o país está a caminhar rapidamente para o caos e apelou aos políticos para colocarem de lado o que os separa e formarem um novo governo que possa atrair a ajuda externa desesperadamente necessária. A ajuda externa – nomeadamente a francesa – está à espera de conseguir algumas garantias de que o financiamento externo não segue o tradicional trilho da corrupção.

Em outubro, o ex-primeiro-ministro Saad Hariri foi incumbido de formar um novo gabinete, mas, cinco meses depois, desentendimentos com Michel Aoun impediram que isso sucedesse.

Ler mais
Recomendadas

Moody’s reprova que Brasil exclua despesas com a pandemia do teto fiscal

A agência de classificação fez referência ao acordo entre o Governo e o Congresso brasileiros para que as despesas extras relacionadas com a covid-19 não estejam sujeitas, este ano, ao teto de gastos obrigatório.

Bolsonaro diz que lei contra discriminação salarial pode dificultar emprego para mulheres

“Você pode estar dizendo: ‘o patrão tem que tomar vergonha na cara’. Pode acontecer que o pessoal não contrate ou contrate menos mulheres. Não vou discutir o mérito. Segunda-feira é o ‘dia D’. Vou ver nos comentários desta ‘live’ se eu devo sancionar ou vetar o projeto que aumenta a multa para aquele que pague salário menor”, acrescentou o Presidente.

Itália: Draghi apresenta Plano de Recuperação esta sexta-feira

O plano conta com uma dotação de mais de 220 mil milhões de euros. O plano definitivo só será apresentado a 30 de abril e o governo quer resolver o problema de quem gere o quê. A questão determinou o fim do anterior governo liderado por Giuseppe Conte.
Comentários