Manifesto considera que investimento do Governo em hidrogénio é “aventura” em que o país não pode embarcar

O grupo composto por mais de 30 especialistas considera que não existe uma “racionalidade económica” para realizar um investimento na produção de hidrogénio. “O país não pode mais uma vez embarcar numa aventura como a Estratégia do Hidrogénio, que absorverá uma parte significativa dos recursos”, apelam.

Nasa – Unsplash

Cerca de 30 personalidades da área de Economia, Gestão e Engenharia subscrevem um documento fortemente crítico da aposta do Governo no hidrogénio, lembrando a falta de maturidade da tecnologia, os custos que o país já teve com a subsidiação das renováveis e a falta de apoio à população portuguesa que se encontra em estado de pobreza.

Num manifesto enviado, esta quinta-feira às redações, os assinantes afirmam ser contra a aposta do Governo no hidrogénio, considerando que “o país não pode mais uma vez embarcar numa aventura como a estratégia do hidrogénio, que absorverá uma parte significativa dos recursos, financiando projetos sem rentabilidade”.

Governo vai financiar até 40 milhões de euros projetos de hidrogénio verde

O conjunto de redatores pede que sejam realizados ” investimentos produtivos”, nomeadamente nas exportações, e que “promovam a modernização e dinamização da estrutura produtiva ou infraestruturas estratégicas”. Desta forma, Portugal poderá reduzir a pobreza no país “e evitar que continuemos a caminhar para a cauda da União Europeia”.

“Só com projetos viáveis, competitivos, com uma adequado equilíbrio no financiamento e na partilha de riscos entre os fundos públicos afetos ao projeto e o investimento privado, que aumentem a competitividade no sector dos bens transacionáveis se poderá aumentar a nossa taxa de crescimento potencial, garantir empregos bem remunerados e fomentar a coesão económica e social”, lê-se no documento.

O manifesto chega um dia depois do Governo ter anunciado um investimento de 40 milhões de euros em projetos de hidrogénio. Segundo João Galamba, que anunciou a medida, esta quarta-feira via comunicado, Portugal apresenta “condições únicas” com os “recursos certos” e “alta competitividade” para liderar a transição energética na Europa e para produzir hidrogénio verde na Europa.

O grupo salienta que não existe “racionalidade económica” para investir “na produção de hidrogénio” pelo menos nos próximos 10 a 15 anos.

“Não podemos repetir o maior erro na introdução maciça das renováveis na década dos anos 2000 que foi o investimento em tecnologias que ainda estavam imaturas. Entrar na economia do hidrogénio em força como o Governo pretende é repetir, com custos ainda mais elevados, esse erro”, concluem.

Ler mais
Relacionadas

Governo vai financiar até 40 milhões de euros projetos de hidrogénio verde

João Galamba representou Portugal na cerimónia do anúncio da nova Aliança Europeia de Hidrogénio Verde, na Comissão Europeia. O secretário de Estado considera que o país “será um elemento essencial para impulsionar o amplo uso de hidrogénio”

Hidrogénio vai acelerar transição energética na União Europeia. Estratégia de Portugal é “um bom exemplo”

As duas novas estratégias do Pacto Ecológico Europeu refletem-se num novo programa de investimento em hidrogénio e em infraestruturas mais ‘verdes’. O vice-presidente executivo da Comissão Europeia olha para a reconversão da central termoelétrica de Sines como um exemplo a seguir.

Hidrogénio verde: Abertas candidaturas para projetos complementares à central planeada para Sines

O Governo abriu as candidaturas para empresas apresentarem os seus projetos que possam servir de complemento à central de hidrogénio verde planeada para Sines.
Recomendadas

Árvores crescem no Pinhal de Leiria mas no terreno lamenta-se a falta de meios e demoras

Há milhares de pinheiros a crescer na Mata Nacional de Leiria, três anos após o incêndio que destruiu 86% da floresta da Marinha Grande. O Estado fala numa elevada taxa de regeneração, mas no terreno há críticas, pedindo-se mais meios.

Covid-19: Direção do consumidor emite quatro alertas no mesmo dia sobre máscaras

Quatro modelos de máscaras com insuficiente retenção de partículas no material filtrante foram na semana passada, num só dia, motivo de alertas da Direção-geral do Consumidor (DGC) e sistema europeu de alerta rápido para produtos não alimentares (Rapex).

Coca Cola aposta no plástico reciclado para as suas embalagens PET

A CuRe tem o potencial de apoiar a Coca-Cola na Europa Ocidental no seu objetivo de eliminar o PET virgem de origem fóssil das suas embalagens durante a próxima década, o que ajudará a eliminar a utilização de mais de 200 mil toneladas de PET virgem por ano.
Comentários