Manuel Pinho à saída do DCIAP: “Estive três horas a beber café e a fumar cigarros”

Ao final de três horas, o ex-ministro da Economia de José Sócrates, à saída do DCIAP, disse aos jornalistas que esteve “três horas a beber café e a fumar cigarros” e que não conseguiu esclarecer as dúvidas do Ministério Público e eventualmente trazer novas informações ao processo.

Pela terceira vez, Manuel Pinho foi chamado esta terça-feira ao Departamento Central de Investigação e Ação Penal e não pode prestar declarações, uma deslocação que visava obter o testemunho do ex-ministro no processo relativo às rendas excessivas da EDP.

Razões técnicas, relacionadas com outro arguido, levaram a que de novo o DCIAP não interrogasse Manuel Pinho no âmbito do processo de investigação às rendas excessivas.

Ao final de três horas, o ex-ministro da Economia de José Sócrates, à saída do DCIAP, disse aos jornalistas que esteve “três horas a beber café e a fumar cigarros” e que não conseguiu esclarecer as dúvidas do Ministério Público e eventualmente trazer novas informações ao processo.

O advogado Ricardo Sá Fernandes explicou que, durante esse período de quase três horas, os procuradores estiveram a apreciar a possibilidade de iniciar o interrogatório apesar do requerimento de outro arguido, tendo chegado à conclusão que não deviam dar início à inquirição.

“Tem a ver com um recurso que está pendente e os procuradores entenderam que em face disso não deveria começar a inquirição por razões também tecnicamente compreensivas”, explicou Ricardo Sá Fernandes.

Esta foi a terceira vez que Manuel Pinho foi chamado ao DCIAP e acabou por não prestar declarações, “não porque não queira mas porque não pôde”, realçou o advogado do ex-governante, que revelou que a inquirição foi adiada sine die.

Antes da sessão, o advogado Ricardo Sá Fernandes disse que o seu cliente esperava que os procuradores confrontassem o ex-ministro com os factos que lhe são imputados do caso das rendas excessivas da EDP. Pela terceira vez, o ex-ministro não foi ouvido pelas autoridades.

O processo das rendas excessivas da EDP está há cerca de sete anos em investigação.

 

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Manuel Pinho: “Havia em Portugal um verdadeiro ‘cocktail’ explosivo no setor elétrico”

O antigo governante do executivo socialista de José Sócrates acrescentou que “Portugal tinha um elevado défice na sua balança de eletricidade com Espanha e importava a quase totalidade dos combustíveis fósseis que consumia”.

Manuel Pinho: “É totalmente falso que eu tenha recebido uma avença do BES”

Antigo ministro da Economia nega ter recebido avença do Banco Espírito Santo, em plena audição na Comissão de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade.

Benefício indevido de Manuel Pinho terá dado 852 milhões de euros à EDP

O valor mínimo da extensão da concessão de 27 barragens seria 1,611 mil milhões de euros, de acordo como Núcleo de Assessoria Técnica da Procuradoria-Geral da República.
Recomendadas

Tribunal brasileiro anula sentença de juíza acusada de cópia, decisão pode favorecer Lula da Silva

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) anulou uma decisão da juíza Gabriela Hardt, alegando cópia de uma sentença, decisão que poderá favorecer o ex-Presidente brasileiro Lula da Silva, condenado noutro caso pela mesma magistrada.

Justiça e Banco de Portugal avaliam benefícios da comunicação eletrónica com tribunais

Protocolo celebrado entre IGFEJ e BdP permitirá que as cerca de 50 mil notificações anuais, que anteriormente eram feitas em carta por via postal, entre os tribunais e o Banco de Portugal passarão agora a ser feitas por via eletrónica.

Provedora de Justiça recebeu 11,5 queixas por mês devido a descongelamento das progressões

As progressões e alterações de posicionamento remuneratório na função pública continuam a motivar queixas e, entre janeiro e outubro, chegaram ao gabinete da Provedora de Justiça uma média de 11,5 reclamações por mês, número equivalente ao registado em 2018.
Comentários