Marcelo cancela viagem ao Vaticano após morte de Freitas do Amaral

Presidente da República tinha uma deslocação marcada para este sábado, mas cancelou dado o funeral de Freitas do Amaral. Realizar-se no mesmo dia. Comemorações do 5 de Outubro mantêm-se com a discrição” própria de um dia de reflexão eleitoral.

O Presidente da República Rebelo de Sousa, tinha uma deslocação marcada ao Vaticano para este sábado, 5 de outubro, para a elevação de Tolentino Mendonça a cardeal. Mas Marcelo Rebelo de Sousa, cancelou a viagem para marcar presença no funeral de Diogo Freitas do Amaral, que se realiza este sábado em Cascais.

Fonte oficial da presidência da República confirmou ao Jornal Económico que Marcelo Rebelo de Sousa cancelou a viagem ao Vaticano prevista para este sábado, 5 de Outubro, adiantando que na cerimónia de elevação de Tolentino Mendonça a cardeal estarão, no entanto, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, bem como o presidente do governo regional da Madeira, Miguel Albuquerque;  e a secretária do Conselho de Estado, Rita Magalhães Colaço.

Segundo a mesma fonte, as comemorações do 5 de Outubro não vão ser canceladas. Vão assim manter-se, tal como Marcelo já tinha assegurado, “com a discrição” própria de um dia de reflexão eleitoral. Haverá um momento simbólico na Câmara Municipal de Lisboa de evocação da República, não haverá discursos, mas haverá esse momento simbólico.

Marcelo Rebelo de Sousa já manifestou “o mais profundo pesar” pela morte de Diogo Freitas do Amaral, fundador do CDS, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e primeiro-ministro interino, morreu esta quinta-feira.

“O Presidente da República manifesta o seu mais fundo pesar pelo falecimento de Diogo Freitas do Amaral, um dos quatro Pais Fundadores do sistema político-partidário democrático em Portugal, como Presidente do Centro Democrático e Social”, lê-se numa nota publicada na página da Presidência da República.

Diogo Freitas do Amaral Tinha 78 anos e estava internado há duas semanas no Hospital da CUF, em Cascais, para realizar exames clínicos, segundo tinha informado a família.

O corpo do fundador do CDS-PP e antigo ministro Diogo Freitas do Amaral vai para o Mosteiro dos Jerónimos, na sexta-feira à tarde, e o funeral decorrerá sábado no cemitério da Guia, Cascais, disse à Lusa fonte familiar.

Na nota publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa lembra ainda que “perdeu um grande amigo pessoal de meio século” e apresenta à sua família “a expressão de grande saudade, mas, sobretudo, da gratidão nacional para o que foi o papel histórico de ter sido aquele dos Pais Fundadores a integrar a direita conservadora portuguesa na Democracia .

Segundo o Chefe de Estado, a democracia portuguesa deve a Freitas do Amaral “o ter conquistado para a direita um espaço de existência próprio no regime político nascente, apesar das suas tantas vezes afirmadas convicções centristas”. Marcelo realça que “deve, também, intervenções decisivas na primeira revisão constitucional e na feitura de diplomas estruturantes, como a Lei da Defesa Nacional e das Forças Armadas, a Lei Orgânica do Tribunal Constitucional, o Código do Procedimento Administrativo e parte apreciável da legislação do Contencioso Administrativo e da Organização Administrativa”.

Marcelo Rebelo de Sousa considera ainda que Freitas do Amaral  acabou por ser um homem solitário, por causa da sua “visceral independência”.

“Juntando uma cuidadosa formação pessoal a uma inteligência seletiva, meticulosamente estruturada e de rara clareza na sua expressão, unindo preocupação de rigor concetual com atenção à realidade, dotado de um trato inexcedível e de uma leal constância a um grupo de amigos, colegas de Escola ou de vida, acabaria por ser sempre um Homem solitário, por causa da sua visceral independência, da sua aversão a prisões de pensamento, da sua descoberta feita ao longo de décadas de que havia mais mundos do que aquele ou aqueles que haviam marcado a sua juventude e o seu protagonismo primeiro na jovem Democracia portuguesa”, lê-se na nota da Presidência da República.

Ler mais
Relacionadas

CDS continua na estrada por Freitas do Amaral, mas suspendeu campanhas por Amália e irmã Lúcia

Aquando da liderança de Paulo Portas, o partido suspendeu as campanhas quando morreu a irmã Lúcia e Amália Rodrigues. Questionada pelos jornalistas sobre estes factos, Assunção Cristas lembrou a “forma sentida” com que interrompeu o almoço em Barcelos “para fazer um minuto de silêncio”.

Pinto Balsemão diz que Freitas do Amaral será lembrado pelo “importante contributo para a democracia”

O antigo líder da Aliança Democrática, Francisco Pinto Balsemão, lamentou esta quarta-feira a morte do fundador do CDS-PP Freitas do Amaral, recordando-o como um “jurista notável” e pelo “importante contributo para a democracia” em Portugal.

Freitas do Amaral: José Sócrates destaca “personagem singular” da democracia portuguesa

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou esta quinta-feira que Freitas do Amaral, que foi seu ministro dos Negócios Estrangeiro, destacou-se como uma “personagem singular” da democracia portuguesa, com vasta cultura política e jurídica e defensor dos direitos individuais.
Recomendadas
TAP Portugal

TAP. Governo diz que está a ser avaliada hipótese da companhia aérea fazer “outro tipo de rotas”

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, explica que a possibilidade ganhou força devido às alterações no mercado devido à pandemia da Covid-19 e ao aumento da frota da empresa que está “inativa”.

Diploma do Chega sobre incompatibilidade de políticos retirado do plenário pelo Governo

Presidência da Assembleia da República avisou gabinete de André Ventura que o Executivo não autorizou o arrastamento do seu projeto de lei para ser discutido em conjunto com proposta de lei sobre contratação pública. “O Governo não achou bem o projeto e passou por cima do presidente da Assembleia da República”, protestou o deputado único do Chega.

Efacec: Estado não vai assumir responsabilidade pelas dívidas de Isabel dos Santos, garante Governo

O Executivo socialista acredita que “grande parte” da dívida da empresária angolana aos bancos que financiaram a sua entrada na Efacec (Montepio, BPI e BIC) “está perdida” porque o valor da indemnização que vai resultar da avaliação que o Governo vai fazer “não será suficiente para amortizar a totalidade dessa dívida”.
Comentários