Marcelo considera “lamentável” partilha de dados sobre ativistas russos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou hoje “efetivamente lamentável” a partilha de dados sobre ativistas russos com as autoridades daquele país, já assumida pela Câmara de Lisboa, afirmando que estão em causa “direitos fundamentais”.

Cristina Bernardo

“Vou saber exatamente o que aconteceu, mas em função do que diz, se isso é verdade, é o reconhecimento de que isso ocorreu e é efetivamente lamentável por estarem em causa, num país democrático e livre, se for assim, direitos fundamentais das pessoas e que se aplicam aos portugueses, mas a todos os que estão em território português”, declarou.

O Presidente da República respondia aos jornalistas no Funchal, à entrada para um almoço na Reitoria da Universidade da Madeira, no final da cerimónia comemorativa do 10 de Junho, após questionado sobre o pedido de desculpas do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, pela situação, assumida publicamente pelo autarca como “um erro”.

Interrogado se este caso põe em causa a imagem do país, Marcelo Rebelo de Sousa acrescentou que “é uma coisa que não corresponde àquilo que é um princípio fundamental de respeito pelas pessoas e pelos seus direitos, quer sejam portugueses quer sejam estrangeiros que estão em Portugal ou vivem em Portugal”.

Marcelo Rebelo de Sousa remeteu mais comentários para depois de se inteirar melhor sobre o sucedido, alegando que a situação tem uma dimensão diplomática e uma dimensão que respeita aos direitos das pessoas: “Quando souber, não deixarei de dizer o que penso sobre a matéria”, disse.

Num momento anterior, questionado pelos jornalistas na Avenida do Mar, no Funchal, Marcelo Rebelo de Sousa tinha afirmado que “o Presidente da República tem de saber exatamente o que se passa”.

“Tenho de saber factos. Houve? Não houve? Como foi? Em que termos? Quem fez? Como é que isso se passou? Que efeito é que teve? Vamos ver”, disse, vincando que teve conhecimento do caso pela comunicação social.

O jornal Expresso noticiou na quarta-feira que os dados de cidadãos russos que estiveram ligados à organização do protesto em solidariedade com o opositor russo Alexei Navalny, detido na Rússia, foram partilhados pela Câmara Municipal de Lisboa com a Embaixada da Rússia e seguiram para o Ministério dos Negócios Estrangeiros daquele país.

Ao início da tarde de hoje, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pediu “desculpas públicas” pela partilha de dados de ativistas russos em Portugal com as autoridades russas, assumindo que foi “um erro lamentável que não podia ter acontecido”.

“Quero fazer um pedido de desculpas público aos promotores da manifestação em defesa dos direitos de Navalny, da mesma forma que já o fiz à promotora da manifestação. Quero assumir esse pedido de desculpas público por um erro a todos os títulos lamentável da Câmara de Lisboa”, disse Fernando Medina em conferência de imprensa.

Relacionadas

Dados dos ativistas russos: “Um erro lamentável e que não devia ter acontecido”, diz Fernando Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa fez um pedido de desculpas público aos organizadores da manifestação em defesa de Alexei Navalny. Autarquia não facultará mais nenhum dado relativamente a nenhum promotor de manifestação ou entidade, com exceção da Polícia de Segurança Pública.

CML confirma envio de dados dos ativistas, mas rejeita “cumplicidade com o regime russo”

Em comunicado, a autarquia informa que os dados dos três organizadores da “Concentração em Solidariedade com Alexei Navalny e apelo à sua libertação imediata” foram enviados para a embaixada da Rússia.

Câmara de Lisboa entregou a Moscovo dados pessoais de três ativistas russos em Portugal

Os dados terão sido obtidos na sequência de um protesto frente à embaixada da Rússia em Lisboa, a 23 de janeiro deste ano, evento onde é necessário enviar para a autarquia os dados pessoais de pelo menos três dos organizadores.
Recomendadas

Incêndios: Cerca de 40 concelhos no interior Norte e Centro e do Algarve em risco máximo

Cerca de 40 concelhos do interior Norte e Centro e da região ao Algarve apresentam esta quinta-feira risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Certificado digital e de recuperação: Sabia que tem de renovar ao fim de 180 dias? (com áudio)

Segundo o portal do Serviço Nacional de Saúde, quem foi vacinado há mais de seis meses têm que renovar o certificado digital para que seja válido.

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.
Comentários