Marcelo e António Costa já discutiram regresso ao estado de emergência

A notícia foi confirmada pelo Chefe de Estado ao semanário “Expresso”. Marcelo Rebelo de Sousa indica que se o líder do Executivo socialista determinar o regresso ao estado de emergência, tal foi “apreciado nas conversas com o Presidente da República”.

Manuel de Almeida/Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o primeiro-ministro, António Costa, já discutiram a possibilidade de o país regressar ao estado de emergência devido à pandemia da Covid-19. A notícia foi confirmada pelo Chefe de Estado ao semanário “Expresso”, que indica que se o líder do Executivo socialista determinar o regresso ao estado de emergência, tal foi “apreciado nas conversas com o Presidente da República”.

“Eu disse, no 5 de Outubro, que o que se entender que tem de ser decidido será decidido”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, ao “Expresso”, sublinhando que, quando o primeiro-ministro veio referir que espera que não seja necessário “voltar a declarar o estado de emergência”, fá-lo porque esse discurso foi articulado entre Belém e São Bento.

Em reunião, Marcelo e António Costa terão discutido a possibilidade de obrigar as pessoas ao confinamento obrigatório a partir de certa hora ou a confinamentos locais. Por enquanto, diz o “Expresso”, o discurso passa por “um misto de dramatização e alerta coletivo: ou as pessoas entram em registo de cuidado máximo ou torna-se inevitável avançar para medidas mais radicais”.

Recomendadas

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.

PS aponta que PSD deixa cair “interesse nacional” ao não viabilizar OE2021

José Luís Carneiro garantiu que a rejeição do PSD é  “a prova de que este é um Orçamento de esquerda e que tem uma resposta à crise do país com políticas de esquerda, que fortalecem o investimento público”.
Comentários