Marcelo em choque recorda “espírito combativo” de Jorge Coelho que influenciou a vida do país

“Eu não posso esconder o choque do conhecimento desta morte inesperada”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em direto para a SIC-Notícias.

Após honras militares, o Presidente da República entrou no Palácio Nacional de Belém, pela rampa de acesso ao Pátio dos Bichos, acompanhado pelo Chefe da Casa Militar e pela Chefe do Protocolo de Estado.

O Presidente da República manifestou hoje choque pela notícia da morte do antigo ministro e ex-dirigente socialista Jorge Coelho e recordou o seu “espírito combativo” considerando que, sem nunca exercer a liderança, influenciou a vida do país.

“Eu não posso esconder o choque do conhecimento desta morte inesperada”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em direto para a SIC-Notícias.

O chefe de Estado referiu que Jorge Coelho “esteve presente na vida pública portuguesa durante três décadas, em várias qualidades: como governante, como parlamentar, como conselheiro de Estado, como dirigente partidário, como analista político e depois, numa fase mais recente, como gestor empresarial”.

O Presidente da República descreveu-o como uma pessoa com “um estilo muito próprio, feito de intuição, de compreensão rápida e antecipação às vezes daquilo que eram as correntes da opinião pública, de perspicácia analítica, de espírito combativo, às vezes polémico, mas também de grande afabilidade, e de abertura de todos os quadrantes e a todo o tipo de realidade que emergia na sociedade portuguesa”.

“E teve uma influência muito grande em momentos importantes da vida nacional. Não tendo exercido a liderança partidária, a que sempre fugiu, no entanto, esteve tão próximo dos centros de poderes que de alguma maneira influenciou a vida do país”, considerou.

Marcelo Rebelo de Sousa lembrou Jorge Coelho “como amigo” e também “enquanto Presidente da República, pelo papel que teve na vida política e económica nacional”.

Após prestar estas declarações, o Presidente da República fez divulgar uma nota no sítio oficial da Presidência da República na Internet em que lamenta “o dramático falecimento de Jorge Coelho”.

“Deixou na memória dos portugueses o gesto singular de assumir, em plenitude, a responsabilidade pela tragédia de Entre-os-Rios e a capacidade rara de antecipar o sentir do cidadão comum”, lê-se na nota.

Ler mais
Relacionadas

António Costa descreve Jorge Coelho como “amigo de todas as gerações do PS”

“Foi um amigo e um camarada que todos perdemos e que iremos chorar, cada um, por si”, considerou, esta tarde, numa breve conferência de imprensa.

Jorge Coelho: “Quando era miúdo o meu avô comprava queijos da Serra e depois ia a Lisboa vendê-los”

O político e ex-governante passava dois dias por semana em Mangualde, a terra que nunca deixou. Morreu esta quarta-feira, mas o seu percurso – e os seus queijos – continuarão a ser uma referência. Histórias que partilhou com o Jornal Económico em março de 2017, na Serra.

Jorge Coelho foi o ministro que não deixou a culpa morrer solteira

Ex-governante e empresário, vítima de ataque cardíaco aos 66 anos, teve a carreira política marcada pela tragédia de Entre-os-Rios, à qual reagiu com uma assunção da responsabilidade que ainda hoje é considerada uma raridade na política portuguesa.
Recomendadas

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

Novo Banco: José Eduardo dos Santos não respondeu a Cavaco Silva sobre BESA

O antigo presidente angolano José Eduardo dos Santos não respondeu a uma carta do antigo homólogo português, Aníbal Cavaco Silva, acerca da situação do BES Angola (BESA), segundo respostas enviadas à comissão de inquérito ao Novo Banco.

“Hoje é um dia histórico”: Ministra destaca aprovação do estatuto do profissional da Cultura

A ministra da Cultura sublinhou que “o estatuto para os profissionais da cultura é algo que nunca tinha acontecido e será capaz de trazer para o sistema de proteção social muitos milhares de profissionais do sector”.
Comentários