Marcelo espera que “se encontre a melhor solução possível” para a TAP

Questionado sobre se deixar falir a TAP não é uma hipótese, o Presidente da República foi categórico em afirmar que “certamente não é uma hipótese que permita a Portugal ter uma empresa que salvaguarde o interesse português”.

Miguel Figueiredo Lopes/Presidência da República handout via Lusa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que espera que se encontre “a melhor solução possível” para a situação da TAP, quando questionado sobre a possibilidade do Governo nacionalizar a companhia área depois de não ter chegado a acordo com os investidores privados.

“O que interessa é que neste momento a solução que se encontre seja a melhor solução possível, digo possível porque as companhias de aviação estão todas numa situação dramática. A melhor solução possível para continuarmos a ter uma TAP portuguesa. Portuguesa quer dizer que prossiga o interesse de Portugal”, afirmou, em declarações aos jornalistas. “A concretização vamos esperar. Não tem o Presidente da República de se pronunciar sobre um processo que está em curso com vários cenários e vamos ver com que saída final”.

Questionado se deixar falir a TAP não é uma hipótese, Marcelo Rebelo de Sousa foi categórico em afirmar que “certamente não é uma hipótese que permita a Portugal ter uma empresa que salvaguarde o interesse português”.

“Agora o que importa é salvaguardar que a TAP sirva Portugal e os portugueses. Espero que seja o resultado do que porventura está a ser conversado 0u falado neste momento”, acrescentou sobre as notícias de que o Governo está a preparar a nacionalização da companhia área.

O jornal Expresso avançou hoje que o Estado português iria avançar para a nacionalização da TAP depois de o Estado não ter chegado a acordo com os acionistas privados sobre as condições para a injeção de 1.200 milhões de euros do Estado na TAP.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, durante uma audição da comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas e Habitação, reiterou esta terça-feira que “a TAP é demasiado importante para deixarmos cair a TAP. Mil e duzentos milhões de euros é muito dinheiro, temos de fazer uma gestão criteriosa desse dinheiro, o que implica que nós consigamos deixar a TAP com uma dimensão que não aponte a uma ‘TAPzinha’, deixe a TAP com maiores probabilidades de sustentabilidade e de viabilidade futura”.

Pedro Nuno Santos assegurou que “se o privado não aceitar as condições do Estado, nós teremos de nacionalizar a empresa. Não vamos ceder ao privado, nem vamos deixar cair a empresa”.

Ler mais

Relacionadas

Pedro Nuno Santos sobre a TAP: “Se o privado não aceitar as condições do Estado, teremos de nacionalizar”

Afastado o cenário de deixar cair a TAP em processo de falência só restam duas saídas: ou os acionistas privados cedem às exigências do Estado ou a companhia aérea vai ser nacionalizada, conforme o ministro das Infraestruturas deixou claro na audição de hoje no Parlamento.

Governo admite “intervenção assertiva” na TAP depois de injeção de 1.200 milhões pelo Estado ter sido rejeitada

A proposta do Governo para injetar 1.200 milhões de euros foi chumbada pelo conselho de administração da TAP que teve lugar ontem dia 29 de junho, devido à abstenção dos representantes dos acionistas privados.

Pedro Nuno Santos: “A TAP é demasiado importante para a deixarmos cair”

Em audição na comissão parlamentar de Economia, Obras Públicas e Inovação, o ministro das Infraestruturas ainda não esclareceu se o Governo vai optar pela nacionalização da companhia aérea nacional, conforme avançado hoje pelo jornal Expresso.
Recomendadas

Mar 2020 com 421,7 milhões de euros de despesa pública comprometidos até junho

O programa, que se insere no Portugal 2020, apresenta uma taxa de compromisso de 83,4% e 41% de execução, segundo o ministro Ricardo Serrão Santos.

Revisão do Orçamento dos Açores aprovada na Assembleia Regional

Na apresentação da revisão do orçamento, o vice-presidente do Governo Regional avançou que a proposta prevê um aumento de 210,4 milhões de euros da despesa orçamental e uma redução de 74,6 milhões da receita.

António Costa e Giuseppe Conte avisam que degradação das previsões económicas impõem acordo europeu já

Os primeiros-ministros de Portugal e de Itália alegaram esta terça-feira que o agravamento das previsões negativas da economia feitas pela Comissão Europeia impõe um acordo entre os 27 Estados-membros já na próxima reunião do Conselho Europeu.
Comentários