Marcelo fica em “vigilância passiva durante 14 dias”

Confirmação foi dada pelo Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, defendendo que o Presidente da República não deve “frequentar locais com aglomerações de pessoas”.

Rui Ochoa / Presidência da República / Lusa

Marcelo Rebelo de Sousa vai permanecer em “vigilância passiva durante 14 dias”. A informação foi revelada pela página da Presidência da República esta quarta-feira, 13 de janeiro. O Presidente da República regressou ao Palácio de Belém, retomando a sua atividade com esta restrição.

A confirmação foi dada ontem pelo Delegado de Saúde Regional de Lisboa e Vale do Tejo, salientando que o Presidente da República “após avaliação de risco, foi considerado como tendo tido exposição de baixo risco”, sendo que poderá retomar a atividade, mas defendendo que Marcelo Rebelo de Sousa não deve “frequentar locais com aglomerações de pessoas”.

“Esta avaliação refere-se tanto à situação resultante do teste positivo da passada segunda-feira, seguido de dois testes negativos realizados pelo Instituto Ricardo Jorge, que é o laboratório nacional de referência, quer ao contacto com o elemento da sua segurança pessoal, cujo resultado positivo do teste foi conhecido ontem ao fim da tarde”, pode ler-se na página da Presidência.

Relacionadas

Marcelo volta a testar negativo e aguarda agora por orientações das autoridades de saúde

“O Presidente da República aguarda agora as orientações das autoridades de saúde”, segundo o Palácio de Belém.

Marcelo Rebelo de Sousa testa negativo e aguarda por teste confirmativo

Marcelo Rebelo de Sousa vai continuar em isolamento enquanto espera pelo terceiro teste. Presidente vai assistir por videoconferência à reunião que vai ter lugar esta manhã no Infarmed.
Marcelo Rebelo de Sousa em videoconferência no debate presidencial

Marcelo não precisou de sair de casa para dominar o debate presidencial

Atual chefe de Estado participou por videoconferência no debate com Ana Gomes, André Ventura, João Ferreira, Marisa Matias, Tiago Mayan Gonçalves e Vitorino Silva. “Uns e outros queriam um Presidente mais alinhado à direita ou à esquerda”, defendeu, face às críticas ao seu mandato, realçando que as crises dos últimos anos aconselhavam “um Presidente que não fosse de facção”.
Recomendadas

Abertura de restaurantes: Rui Rio acusa Eduardo Cabrita de ser “mentiroso”

A publicação do presidente do PSD surgiu na sequência das declarações de Eduardo Cabrita sobre a posição do partido social democrata quanto às

CDS-PP pede encerramento de escolas e apoios “mais rápidos” e “sem burocracias” à economia

O líder democrata-cristão, Francisco Rodrigues dos Santos, considera que o facto de o Conselho de Ministros estar a ponderar novas restrições, cinco dias depois de se ter reunido, mostra que as medidas tomadas foram “insuficientes”, e pede que os apoios à economia cheguem “mais rápido” e “sem burocracias”.

Marcelo Rebelo de Sousa: “Houve erro de cálculo no momento da segunda vaga”

O Presidente da República reconhece o cansaço e fadiga dos portugueses quanto à adesão das medidas de confinamento geral, mas apela para que sejam cumpridas: “Se não aderem, o custo é maior na vida do dia a dia e na duração do estado de emergência e do confinamento”.
Comentários