Marcelo pede convergência e diz que não faltarão eleições para julgar responsáveis

“Há mais do que tempo para se ajuizar de atos e autores, para demarcar campos e para apurar e julgar responsáveis. Não faltarão eleições para isso. Este tempo ainda é outro: o tempo de convergir no possível, mesmo discordando”, acrescentou o Presidente da República.

costa e marcelo
Mário Cruz/LUSA

O Presidente da República pediu hoje que haja a “convergência possível” no combate à covid-19 e que os portugueses não se “dividam irremediavelmente” neste momento, dizendo que mais tarde não faltarão eleições para julgar responsáveis.

Numa comunicação ao país a partir do Palácio de Belém, em Lisboa, em que anunciou a renovação do estado de emergência até 08 de dezembro, deixou um apelo aos portugueses: “Continuem, como até agora, a ser solidários, num momento, num processo tão longo de provação coletiva, assim confirmando a sua responsabilidade cívica e ética, e que se não dividam irreparavelmente entre os defensores vida e da saúde e os defensores da economia, da sociedade e da cultura, entre os defensores da dureza sanitária e os defensores da abertura económica”.

“E que recusem a violência física na discussão democrática a favor e contra o que quer que seja. E que partidos e parceiros sociais continuem a fazer a convergência possível. Há mais do que tempo para se ajuizar de atos e autores, para demarcar campos e para apurar e julgar responsáveis. Não faltarão eleições para isso. Este tempo ainda é outro: o tempo de convergir no possível, mesmo discordando”, acrescentou.

O chefe de Estado considerou que “é natural que haja portugueses – e são muitos, e nas fases piores das pandemias como esta, são muitos mais – que criticam o que entendem ser erros, omissões, avanços, recuos, ziguezagues”.

“Em maio e junho sobre a Grande Lisboa, em agosto e setembro sobre a segunda vaga, em outubro, hoje, amanhã, depois, criticando tudo o que vier tarde ou mal explicado, por defeito de porta-voz ou por defeito de decisão”, referiu.

Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu, em seguida, que, apesar de todas as críticas, não é altura de “baixar os braços” no combate a esta epidemia.

Ler mais
Relacionadas

“Não hesitarei um segundo em aprovar renovações do Estado de Emergência”, destaca Marcelo

O Presidente da República classificou como “provável” a vinda de “uma terceira vaga entre janeiro e fevereiro” e que esta “será tanto maior quanto os números forem elevados um mês antes”.
Recomendadas

Parlamento anula transferência de 476,6 milhões do Fundo de Resolução para Novo Banco

O Orçamento de Estado acaba de aprovar a bandeira do Bloco de Esquerda de impedir a injeção do Fundo de Resolução dos 476,6 milhões de euros para o Novo Banco. Esta medida deixa o banco numa situação delicada para cumprir os compromissos de limpeza do balanço assumidos com Bruxelas.

Governo dos Açores recusa demissão de diretor regional do anterior executivo

Numa missiva a que agência Lusa teve acesso, datada de 24 de novembro, Tiago Lopes solicitou a cessação de funções de diretor regional da Saúde e, por inerência, da Autoridade de Saúde Regional, cargos que ocupou durante o governo socialista.

PCP vai abster-se na votação final global do OE2021

Depois de ter contribuído para a viabilização no OE2021 na generalidade, através da abstenção, o PCP faz uma avaliação positiva das negociações na especialidade e do “conjunto alargado de propostas” comunistas que foram inscritas no texto final.
Comentários