Marcelo pede “programa de emergência” para a crise na comunicação social

Numa conferência sobre “Democracia e Liberdade de Imprensa” Marcelo Rebelo de Sousa voltou a alertar que “comunicação social em crise é democracia em crise” e defendeu que “é necessário um programa de emergência”.

Cristina Bernardo

O Presidente da República pediu hoje aos decisores políticos “um programa de emergência” para responder à crise na comunicação social, remetendo para as medidas fiscais, entre outras, que as associações do setor têm proposto anualmente.

Numa conferência sobre “Democracia e Liberdade de Imprensa”, organizada pela revista Sábado, num hotel de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a alertar que “comunicação social em crise é democracia em crise” e defendeu que “é necessário um programa de emergência”.

“Todos os anos, pelo debate do Orçamento do Estado, surgem propostas nomeadamente em matéria tributária, mas não só, que se aproximam daquilo que de melhor há noutros países insuspeitos do mundo, democracias há muito consolidadas. E nesse apelo vai a chamada de atenção aos legisladores para que se debrucem sobre o problema”, referiu.

Segundo o chefe de Estado, é possível estabelecer “esquemas gerais e abstratos que permitam equacionar vias ao menos para este período transitório de crise mais aguda” e há que passar à ação.

“Ando há três anos, não direi a pregar no deserto, mas a pregar quase no deserto, porque todos concordam com o diagnóstico da situação”, lamentou.

À saída desta conferência, realizada por ocasião do 15.º aniversário da revista Sábado, Marcelo Rebelo de Sousa esclareceu que o seu apelo se dirige “a todos, aos responsáveis políticos, aos responsáveis patronais, aos responsáveis sindicais, aos próprios profissionais da comunicação social”.

“Mas muito aos decisores políticos, bem entendido”, frisou.

Questionado sobre quais as medidas que deveriam constar do referido “programa de emergência”, o Presidente da República respondeu: “Eu não tenho de pensar em medidas, até porque as associações do setor já várias vezes falaram nisso”.

“As associações do setor, todos os orçamentos do Estado, apresentam um conjunto de medidas, algumas fiscais, outras de formação, outras de incentivo à leitura, outras pensando sobretudo nos órgãos daqueles Portugais desconhecidos, nomeadamente do interior, com mais dificuldade, outras pensando na imprensa regional e local”, repetiu, considerando que “há uma variedade grande de ideias e de projetos”.

Ler mais
Recomendadas

Segurança do cofre do Banco de Portugal pode estar em risco. Militares não recebem há quase 7 meses

Este serviço de segurança é pago pelo próprio Banco de Portugal ao Ministério da Administração Interna que tutela a GNR. “O banco não é o problema, a GNR não é o problema”, assumiu um militar à Record TV Europa.

Terceira ponte sobre o Tejo volta a ser discutida 10 anos depois

A ponte anunciada por José Sócrates acabou por ser cancelada em 2010. Os custos foram então estimados entre 1,7 mil milhões e 1,9 mil milhões.

Prémios polémicos levam Comissão Executiva da TAP ao Parlamento. Assista ao debate

A comissão executiva da TAP está a ser ouvida na Assembleia da República sobre prémios polémicos atribuídos a trabalhadores, após terminar o exercício de 2018 com prejuízos. O requerimento para ouvir a comissão executiva da transportadora aérea foi apresentado pelo Bloco de Esquerda (BE), que classificou como “inaceitável” a decisão.
Comentários