Marcelo promulga Lei de Bases da Saúde

O Presidente da República promulgou o documento, apesar de “o presente diploma não corresponde, na sua votação, ao considerado ideal, nomeadamente por dela excluir o partido com maior representação parlamentar”.

O Presidente da República promulgou a Lei de Bases da Saúde, de acordo com a nota publicada no portal da Presidência da República, esta sexta-feira.

Marcelo Rebelo de Sousa refere que “o presente diploma não corresponde, na sua votação, ao considerado ideal, nomeadamente por dela excluir o partido com maior representação parlamentar Mas, ao invés, preenche o critério substancial determinante da decisão presidencial: o não comprometer, em nenhum sentido, as escolhas futuras do legislador, dentro do quadro definido pela Constituição”.

O diploma foi aprovado em contexto parlamentar no mês passado, a 19 de julho, e recebeu os votos a favor do PS, PCP, BE, PEV e PAN e os votos contra do PSD e CDS-PP, deixando de fora o modelo de participação dos privados na gestão do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A aprovação da nova Lei de Bases da Saúde, um dos diplomas mais polémicas desta legislatura, resulta de um acordo conseguido à 25.ª hora pelo PS. A solução final – que contou com a intervenção do próprio primeiro-ministro, António Costa, – prevê a revogação, em 180 dias, do decreto do Governo de Durão Barroso sobre as parcerias público-privadas (PPP) na gestão dos hospitais e unidades de saúde.

O texto final aprovado em plenário remete a questão das PPP, que levou a um impasse nas negociações entre partidos, para ser resolvida, num prazo de seis meses, o que vai arrastar a discussão para a próxima legislatura.

No comunicado lê-se ainda que “este diploma permite a celebração desses acordos [com os setores privado e social], sem os impor, na Base 25, número 1, para a prestação de cuidados de saúde, e na Base 6, número 1, não só para essa prestação, como para a gestão de estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde” e acrescenta também que “o artigo 3.º., número 2, da Lei que aprova a nova Lei de Bases de Saúde, prevê mesmo que a lei que, no futuro, vier a substituir a atual lei das PPP, de 2002, disciplinando os termos da gestão pública dos estabelecimentos do Serviço Nacional de Saúde, o faça nos termos da citada Base 6″.

Ou seja, pelas palavras de Marcelo Rebelo de Sousa, este diploma faz exatamente o que deveria fazer: “Deixar para futuras escolhas políticas e legislativas o que vai depender de circunstâncias hoje imprevisíveis”. “O presente diploma preenche o critério determinante para a decisão do Presidente da República” (…) “que é o do seu conteúdo, quanto à abertura, no quadro da Constituição da República Portuguesa, à livre escolha do legislador, em cada momento futuro, da melhor forma de garantir o objetivo primeiro da Constituição nesta área, que é o de assegurar o direito à saúde dos portugueses”, refere o chefe de Estado.

Notícia atualizada às 13h06

Ler mais
Relacionadas

PS, PCP, BE, PEV e PAN aprovam nova Lei de Bases da Saúde sem referência às PPP

O texto final aprovado em plenário remete a decisão sobre as parcerias público-privadas (PPP) para um prazo de seis meses, o que vai arrastar a discussão para a próxima legislatura. As PPP foram uma das questões que levou a um impasse nas negociações entre partidos, na especialidade. PSD e CDS-PP contestam nova Lei de Bases.

Federação Nacional dos Médicos saúda aprovação da nova Lei de Bases da Saúde

“A lei hoje aprovada vem substituir uma Lei de Bases da Saúde que, desde 1990, desvirtuou os princípios fundadores do SNS, legalizou o desvio dos dinheiros públicos para financiar negócios privados e, por esta via, promoveu o brutal desinvestimento nos serviços públicos de saúde”, lê-se num comunicado enviado às redações pela FNAM.
Recomendadas

CMEC: EDP recusa todas as acusações de favorecimento

A elétrica nacional refuta todos os pontos de eventual favorecimento de que é acusada e diz que tudo decorreu com uma transparência que a própria União Europeia confirmou.

“Vandalização”: Presidente do Instituto Superior Técnico critica mural do Bloco de Esquerda

Arlindo Oliveira criticou o mural realizado pelo partido de Catarina Martins nos muros do campus da Alameda em Lisboa. “Será que a vandalização de património público consta no programa do Bloco de Esquerda?”

Eleições: Rui Rio considera que 200 milhões para aumentos salariais “não chega para nada”

O presidente do PSD considerou esta sexta-feira que se o Governo só tem 200 milhões de euros para aumentar os funcionários públicos, estes estão “desgraçados” porque este dinheiro “não chega para nada” nos próximos quatro anos.
Comentários