Mariana Mortágua conclui doutoramento em Economia na Universidade de Londres

“Não há muitas pessoas que, tendo o trabalho intensíssimo do Parlamento ou noutra profissão ou função, tenham a capacidade de trabalho que permite escrever uma tese e para a levar ao júri numa universidade internacional de referência”, elogia Francisco Louçã, antigo líder do Bloco de Esquerda.

A deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua concluiu esta semana a sua prova de doutoramento em Economia na Universidade de Londres. O antigo líder do BE, Francisco Louçã, sublinhou esse feito da jovem deputada, em mensagem publicada na rede social Facebook.

“Não há muitas pessoas que, tendo o trabalho intensíssimo do Parlamento ou noutra profissão ou função, tenham a capacidade de trabalho que permite escrever uma tese e para a levar ao júri numa universidade internacional de referência”, escreveu Louçã.

Recorde-se que, em 2013, aos 27 anos de idade, Mortágua interrompeu o doutoramento em curso na School of Oriental and African Studies (SOAS), da Universidade de Londres, regressando então a Portugal para assumir o mandato de deputada, em substituição de Ana Drago.

Apesar da intensa atividade na Assembleia da República, com destaque para as várias comissões de inquérito em que participou, além de ter chegado a exercer a liderança da bancada parlamentar do BE, Mortágua conseguiu agora concluir o doutoramento em Economia.

Dos atuais 230 deputados, apenas 14 (contando já com Mortágua) têm formação académica ao nível de doutoramento.

Recomendadas

Presidente da República quer CPLP com posição comum sobre oceanos

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu que os países da CPLP devem alinhar posições sobre os oceanos antes da conferência da ONU dedicada ao tema, que terá lugar em Lisboa no próximo ano.

Fernando Medina diz que UE precisa de “reparar” união económica e monetária

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o grande desafio, nos próximos anos, a nível europeu, é haver um entendimento sobre como “reparar” a União Económica e Monetária, uma questão por resolver dez anos após a crise.

Bancos dão ordem para executar totalidade da Coleção Berardo

CGD, BCP e Novo Banco deram à execução penhores sobre 100% dos títulos de participação dados como garantia de créditos de mais de 900 milhões.
Comentários