Mariana Vieira da Silva: “O mais importante é ficar em casa para diminuir os contactos sociais”

“O mais importante neste momento é podermos ficar em casa diminuindo ao mínimo os contactos sociais, podendo trabalhar, podendo ir à escola e podendo fazer outras coisas, mas num contexto em que a cada dia devemos procurar restringir o mais que podemos os nossos contactos sociais”, pediu Mariana Vieira da Silva.

Tiago Petinga/LUSA

A ministra do Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, defendeu estas segunda-feira as medidas do Governo para o novo estado de emergência e sublinhou que a partir de agora a regra é “ficar em casa sempre que tal for possível”.

“Mais do que as exceções, importa-nos, em primeiro lugar, compreender a regra, e a regra, num momento em que o país tem, no dia de ontem, 5784 casos, mais internados nas unidades de cuidados intensivos (neste momento, já são 378)”, frisou Mariana Vieira da Silva em entrevista à “TSF” destacando que “a regra é podermos ficar em casa sempre que tal for possível”.

“Compreendo as perguntas sobre as exceções, mas não queria deixar de dizer que o mais importante neste momento é podermos ficar em casa diminuindo ao mínimo os contactos sociais, podendo trabalhar, podendo ir à escola e podendo fazer outras coisas, mas num contexto em que a cada dia devemos procurar restringir o mais que podemos os nossos contactos sociais, é a única maneira”, referiu a ministra do Estado e da Presidência.

O Governo definiu que até dia 23 de novembro iria aplica recolher obrigatório, sendo que durante a semana as pessoas devem estar em suas casas entre as 23h00 e as 5h00, mas durante o fim de semana o horário passa a ser das 13h00 às 5h00. Durante entrevista à TSF, Mariana Vieira da Silva recordou ainda que “existe a possibilidade de circulação neste horários para todos aqueles que estão a trabalhar, a caminho do trabalho ou a regressar do trabalho. Existe obviamente a possibilidade de motivos de saúde deslocar desde logo à farmácia para aquisição de produtos, mas também a qualquer centro hospitalar”.

Relacionadas

Ana Gomes defende que Parlamento devia aprovar “lei de emergência sanitária”

A candidata presidencial classificou as medidas do estado de emergência como “duras, desagradáveis, mas necessárias”.

Idas ao supermercado, à farmácia ou passeios curtos. Conheça as 13 exceções ao recolher obrigatório

No estado emergência de dura até 23 de novembro, nos 121 concelhos com maior risco de contágio de Covid-19, há proibição de circulação em horários especifícos, mas também há excepções. Deslocações para o trabalho e por razões familiares imperativas fazem parte da lista de 13 excepções, tal como “deslocações pedonais de curta duração, para efeitos de fruição de momentos ao ar livre”.
Recomendadas

PSD força audição de ministro Eduardo Cabrita sobre inquérito da IGAI

O PSD requereu hoje, sexta-feira, a audição parlamentar obrigatória do ministro Eduardo Cabrita sobre o inquérito da Inspeção Geral da Administração Interna (IGAI) relativa aos festejos do Sporting, e quer também explicações do presidente da Câmara de Lisboa.

PSD propõe aumentar número de círculos eleitorais

O documento com as linhas gerais da reforma do sistema eleitoral do PSD, hoje apresentadas pelo presidente, Rui Rio, e pelo vice-presidente David Justino em Pedrógão Grande (Leiria), foca-se na eleição dos deputados para a Assembleia da República.

NB: PCP votará contra relatório que isente governos do PSD/CDS e PS

“Consideramos que a maior falha está na ausência de uma responsabilização política dos governos do PSD/CDS e do PS nas decisões que foram tomadas relativamente ao Novo Banco”, criticou.
Comentários