Mário Centeno: “Vamos cumprir os objetivos”

Em conferência de imprensa, o ministro das Finanças comentou os resultados do crescimento económico, que foram divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística.

© Jornal Económico/ Fotografia: Cristina Bernardo

O ministro das Finanças considera que o crescimento económico do país renova o “ritmo do primeiro trimestre de 2017, o que representa o nível máximo da última década” e permitirá reduzir a dívida pública e cumprir as metas do Governo.

Em conferência de imprensa, Mário Centeno está a comentar os resultados do crescimento económico, que foram divulgados esta manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), e deram conta de que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,8% no segundo trimestre deste ano, em termos homólogos.

“Os dados publicados pelo INE indicam ainda que o crescimento contínua a estar associado a uma aceleração do investimento, o que confere um sinal positivo sobre a sustentabilidade e o equilíbrio do atual padrão de crescimento da economia portuguesa”, disse o governante.

“A nossa economia cresce pelo 15º trimestre consecutivo, de novo a um ritmo superior à média europeia e num contexto de equilíbrio das contas públicas”, realçou, acrescentando que o valor acompanha a evolução registada no mercado de trabalho. Relativamente ao emprego, o ministro das Finanças sublinhou que 91% do ganho líquido de emprego foi conseguido por contratos permanentes.

Apesar de estar acima das previsões do Executivo para o final do ano, trata-se do mesmo valor do PIB assinalado nos três meses anteriores. Quanto a esse dado, Mário Centeno afirmou que o Governo ainda não tem “noção da composição subjacente a este crescimento no 2º semestre”.

O organismo de estatística indicou, às 11 horas, que “a procura externa líquida registou um contributo ligeiramente negativo para a variação homóloga do PIB, refletindo uma mais acentuada desaceleração em volume das Exportações de Bens e Serviços do que das importações de bens e serviços”. Para Mário Centeno, estes valores indiciam perspetivas futuras positivas.

O número fica aquém das expectativas da maior parte dos economistas. Os especialistas contactados pelo Jornal Económico previam que o crescimento de Portugal poderia ter atingido 3,4% em termos homólogos, no cenário mais benigno e, no pior, desaceleria devido ao impacto negativo da subida das importações.

Ler mais

Relacionadas

PIB cresce 2,8% no segundo trimestre

Economia registou uma taxa de crescimento semelhante à do trimestre anterior, revelou hoje o INE.
Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários