Mário Nogueira: quem é o homem que lidera os professores há 11 anos (c/vídeo)

Os professores iniciaram ontem uma nova greve, que vai durar até quinta-feira. A luta sindical confunde-se com a vida do dirigente da Fenprof, Mário Nogueira. Uma das primeiras manifestações aconteceu no gimnodesportivo de Tomar e acabou com uma barricada.

Filho de uma operária fabril e de um representante de uma marca de confeitaria, o dirigente da associação que representa milhares de professores, é adepto do Sporting, jogou basquetebol e fez atletismo. O antigo escuteiro e espeleólogo foi ainda mandatário da candidatura de Jerónimo de Sousa às presidenciais e candidato por Coimbra para as eleições legislativas.

Em 2007, a Fenprof, a maior estrutura sindical de professores, escolheu-o como o novo secretário-geral, depois de 13 anos de liderança de Paulo Sucena. Nessa altura, pela primeira vez dois candidatos disputaram o cargo: Mário Nogueira e Manu la Mendonça. Mário Nogueira recebeu o apoio da direção do Sindicato dos Professores da Região Centro e dos sindicatos da Zona Sul, da Madeira e dos Açores.

“Por exigência colocada aos sindicatos, fiquei a tempo inteiro nesta actividade”, admitiu numa entrevista à TVI – o dirigente não leciona há mais de 25 anos. “Fui convidado por duas vezes a leccionar no Ensino Superior, mas rejeitei porque gosto de ser sério e entregar-me completamente. Por isso, tenho de estar disponível das 9h da manhã à meia-noite para os professores”, acrescentou.

O líder da Fenprof, nascido em Tomar, em 1958, sempre quis ser professor. A primeira opção era matemática, porque gostava. No entanto, acabou por entrar na escola do Magistério Primário e tirou o curso [professor do primeiro ciclo], que depois completou com a especialização em problemas comportamentais.

A tropa, colocações em escolas diferentes e a tentativa de conciliar a atividade docente com a de aluno na Faculdade de Economia da Universidade Coimbra revelaram-se difíceis de concretizar. Ser pai aos 24 anos, professor e o envolvimento cada vez maior com a atividade sindical “escrevendo umas cartas, fechando envelopes, colando uns selos” – levou-o a ficar-se apenas pela frequência do curso de Economia.

Foi na juventude que começou a desenvolver o seu lado mais reivindicativo. Uma das manifestações mais marcantes encheu o gimnodesportivo de Tomar, onde os pais dos alunos mais pequenos tentaram impedir que fossem encerradas as aulas no liceu. O episódio acabou numa barricada.

A luta sindical corre-lhe nas veias. Na primeira conferência depois das férias, Mário Nogueira não mostrou sinais de abrandamento na luta dos professores. Protestos mantém-se e verificava-se pouca expetativa para a reunião de 7 de setembro com o Governo. “Entre 1 e 4 de outubro vai haver greve. O que nós estamos ainda a discutir é o formato. Poderá ser um dia de greve, poderão ser vários. Poderá ser, como já fizemos, uma greve de vários dias, mas dividida por regiões”, explicou na altura Mário Nogueira aos jornalistas.

O protesto acabaria mesmo por concretizar-se. Os professores iniciaram ontem uma nova greve, que vai durar até quinta-feira e terminar com uma manifestação nacional, para exigir que nove anos, quatro meses e dois dias de trabalho sejam contabilizados na progressão de carreira.

 

Relacionadas

Fenprof anuncia greve para outubro

A Federação Nacional dos Professores reafirmou esta quinta-feira que não abdica de um único dia do tempo de serviço congelado dos docentes

Mais de 80% dos professores querem reforma antecipada

Durante os meses de fevereiro e março, cerca de 19 mil professores responderam a um questionário com mais de 100 perguntas que resultou no “Inquérito Nacional sobre as Condições de Vida e Trabalho na Educação em Portugal”, hoje apresentado em Lisboa.
Recomendadas

Investimento em Vistos Gold caiu 132 milhões desde 2016

Desde que entrou em vigor em outubro de 2012, o programa dos Vistos Gold tem vivido períodos de irregularidade, que vão desde o investimento ao número de pedidos feitos. Chineses continuam a dominar embora em quebra (19% em 2019), enquanto do outro lado do Atlântico, o mercado brasileiro investiu 158 milhões no último ano, uma subida de 6,3% face a 2018.

Autarcas socialistas são os mais afetados pela limitação de mandatos

Entre os 308 municípios portugueses houve 50 que elegerem em 2017 presidentes de câmara impedidos de se recandidatar nas autárquicas de 2021. Mais de metade desses foram eleitos nas listas do PS, mas desde então já oito renunciaram ao mandato e foram substituídos por outro vereador. Em causa estão ainda capitais de distrito como Setúbal (PCP) e Viana do Castelo (PS)

O Jornal Económico num minuto

O Jornal Económico desta semana já está disponível nas bancas de todo o país e na plataforma JE Leitor, para os nossos assinantes digitais.
Comentários