Markus Soeder vai concorrer à liderança do partido CSU

O primeiro-ministro alemão anunciou a decisão com base “numa análise cuidadosa e de acordo com o desejo de muitos membros”, diz-se “pronto para servir” o seu partido.

O primeiro-ministro alemão Markus Soeder é candidato à liderança do partido conservador CSU. O anúncio foi feito pelo próprio este domingo, concorrendo ao cargo ocupado pelo atual ministro do Interior, Horst Seehofer, revela a agência “Reuters” este domingo.

Depois de uma análise cuidadosa e de acordo com o desejo de muitos membros, estou pronto para servir ao meu partido. É por isso que estou a concorrer para o cargo de líder do partido CSU”, afirmou Markus Soeder, à agência alemã de notícias “DPA”.

Horst Seehofer, anunciou na última segunda-feira que deixará o cargo após 10 anos à frente do partido regional da Baviera para a União Democrata Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel, mas continuará como ministro do Interior.

A decisão do ministro do Interior vem no seguimento da declaração de Merkel de que o seu quarto mandato como chanceler será o último, deixando o cargo de líder dos democratas-cristãos (CDU). Markus Soeder, rival de longa data na Baviera, foi o nome mais apontado para assumir o papel da liderança depois da CSU ter sofrido uma pesadas derrota nas eleições regionais da Baviera no passado mês de outubro.

Manfred Weber, membro da CSU e principal candidato do Partido do Povo Europeu (EPP) nas eleições para o Parlamento Europeu em maio de 2019, assumiu que não irá concorrer ao cargo para se concentrar na sua campanha europeia.

A CSU deverá eleger o novo líder num congresso do partido a 19 de janeiro de 2019.

Ler mais
Recomendadas

PS disponível para “construir solução” que responda a dúvidas do PR sobre inseminação pós-morte

O deputado socialista Pedro Delgado Alves considerou que Marcelo Rebelo de Sousa não manifestou reservas nem dúvidas jurídicas quanto “ao essencial do projeto”, mas sobre “dois aspetos particulares do regime”.
ana_catarina_mendes_ps

PS quer teletrabalho por apenas por “mútuo acordo” e em “condições iguais” no público e privado (com áudio)

Os socialistas querem consagrar na lei o direito a desligar e garantir um tratamento igual entre os trabalhadores em teletrabalho e os em regime presencial. A proposta prevê ainda que os empregadores paguem os custos inerentes ao teletrabalho (como luz, gás e telecomunicações) mas mediante “negociação coletiva”.

Marcelo devolve ao Parlamento decreto sobre inseminação pós-morte (com áudio)

O chefe de Estado pede aos deputados que reconsiderem as disposições relativas ao direito sucessório e questiona a sua aplicação retroativa da inseminação artificial com sémen de um conjugue já falecido ou a transferência de um embrião para realizar um projeto parental.
Comentários