Marques Mendes: governo mais provável é do PS com apoio do PAN

O comentador do PSD considera que a questão de Tancos é suficiente para retirar ao PS a possibilidade de uma maioria absoluta. Um acordo com o PAN seria “o mais baratinho” para António Costa.

O comentador social-democrata Marques Mendes considera que a questão de Tancos e o envolvimento do antigo ministro Azeredo Lopes “é muito mau para António Costa”, nomeadamente porque “deu-lhe apoio e cobertura, o que o torna responsável”. O comentador disse ainda, no seu habitual espaço de comentários da SIC, que as suspeitas lançadas pelo PS contra a Justiça é ainda pior.

Quanto ao envolvimento do Presidente da República, Marques Mendes disse que “é lamentável: primeiro porque não há nenhum sinal que esteja envolvido, e depois foi o único que durante dois anos andou a dizer investigue-se, mesmo quando o primeiro-ministro tentou fazer esquecer o assunto”.

Mas Marques Mendes diz que a atuação da Procuradoria-Geral da República e o exército em todo o tema é também ela lamentável. “A impunidade não pode ficar à solta”, disse, para concordar que o tema está a inquinar a campanha eleitoral. “Não é saudável”. De qualquer modo, o caso de Tancos “pode comprometer uma maioria absoluta do PS, só se podendo queixar dos ex-governantes socialistas”.

Para Marques Mendes, a campanha acabou por bipolarizar-se, “o que é bom para o PSD” – “não chegará parea ganhar, mas dá para encurtar a diferença com o PS”. De qualquer modo, disse, “também favorece o PS. Quem perde são os grandes partidos, como aconteceu na Madeira”.

Sem maioria absoluta, disse Marques Mendes, “há três hipóteses de governo: um governo minoritário do PS com apoio parlamentar do PAN – porque é uma negociação baratinha para o PS; não é uma solução nem muito credível nem muito consistente. A segunda hipótese e um governo minoritário do PS sem o apoio de ninguém. A terceira hipótese é a repetição da geringonça, que eu acho mais difícil porque isso sairá caro ao PS”. Fica por isso a primeira hipótese como a mais provável, segundo o comentador. De qualquer modo, disse, “vamos ter quatro anos de maior instabilidade”.

Marques Mendes quis também comentar o papel “desta jovem sueca e o discurso que fez na Cimeira do Clima. O seu discurso foi quase a tocar o fanatismo e o radicalismo, parece que há encenação. As reações dos chefes do Estado, ao aplaudirem, foi um exercício de hipocrisia”. Mas Mendes acha que Greta “tem um mérito incalculável: colocou o clima na agenda mundial”.

 

Ler mais
Recomendadas
Albino Almeida

Assembleias municipais reúnem em congresso com o foco na criação de comissões permanentes

Presidente da assembleia municipal de Vila Nova de Gaia e da Associação Nacional de Assembleias Municipais, Albino Almeida destaca que o segundo congresso da entidade, que decorre no sábado em Braga, irá debater “Os Novos Desafios do Poder Local”. Com a Covid-19 e as autárquicas de 2021 em pano de fundo, o dirigente realça a necessidade de preparar melhor os eleitos para os “parlamentos das autarquias”.

“Sabemos que as mudanças acontecem”. Marta Temido desvaloriza polémica com Jamila Madeira

“As remodelações fazem parte das dinâmicas dos Governos, quando se faz uma alteração procura-se afinal melhorar métodos de trabalho. Quando vim para esta pasta percebi o enorme respeito quem tem de se ter por quem ocupa estes cargos”, esclareceu a governante em conferência de imprensa.

EUA: Juiz federal bloqueia decisão de Trump contra correios

Depois do processo movido por 14 estados, um juiz federal de Washington decretou que as alterações à política dos correios norte-americanos colocam em risco o funcionamento adequado da instituição.
Comentários