Marsh Portugal entra no negócio de Private Equity e Fusões e Aqusições

Com a presença do Pedro Pereira, a Marsh Portugal reforça o seu posicionamento enquanto consultor de riscos, com uma equipa dedicada à prática de Private Equity e Mergers & Acquisitions.

A Marsh Portugal tem uma nova área de negócio de Private Equity e Mergers & Acquisitions (PEMA), diz a líder mundial em corretagem de seguros e em consultoria de riscos.

Pedro Pereira foi a escolha da Marsh Portugal para liderar esta nova prática, porque ao longo dos últimos dois anos, desenvolveu a sua expertise no desenho de soluções para riscos transacionais, com especial enfoque no capítulo das Manifestações e Garantias (Warranties & Indemnities).

De acordo com o Pedro Pereira da Marsh, “a estruturação de operações de fusões & aquisições em Portugal com recurso a soluções de risco transacional são cada vez mais frequentes, refletindo o reconhecimento que as partes envolvidas atribuem a estes mecanismos como verdadeiras plataformas de aproximação entre vendedor e comprador no âmbito das manifestações e garantias prestadas e na gestão de risco de eventuais contingências identificadas, potenciando, assim, a conclusão da transação”.

A Marsh é pioneira por ser, atualmente, das primeiras entidades do país a apresentar uma equipa dedicada a esta negócio.

“A nível mundial, a Marsh tem já uma experiência com mais de 20 anos nesta área de negócio, providenciando serviços de consultoria de riscos a compradores e vendedores em operações de fusão e aquisição”, diz a consultora em comunicado.

Pedro Pereira iniciou a carreira na Deloitte em 2007 onde permaneceu até 2012. Licenciado em Gestão no ISCTE-IUL, é pós-graduado em finanças e controlo empresariais no INDEG e em Direito das Sociedades Comerciais e das Sociedades Abertas pela UCP.

Ler mais
Recomendadas

Martim Menezes é novo sócio da Abreu

Advogado saiu da CCA para reforçar Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde.

PremiumOptimal prevê mais operações após negócio da Frulact

Sociedade detida por José Maria Ricciardi, Jorge Tomé e Paulo Tenente assessorou o fundo Ardian na compra da Frulact. ‘Managing partner’ está otimista quanto à atividade em 2020 nas fusões e aquisições, e não só.

Mazars com crescimento de 10,4% do volume de negócios

Em Portugal, a Mazars registou um desempenho positivo em 2018/2019. No horizonte 2020 perspetiva-se que a conjugação do crescimento orgânico com operações de crescimento externo permita um crescimento a dois dígitos, acrescenta a empresa internacional de auditoria e consultoria.
Comentários