Martim Menezes é novo sócio da Abreu

Advogado saiu da CCA para reforçar Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde.

O advogado Martim Menezes é o novo sócio da Abreu, reforçando a equipa de Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde. Martim Menezes deixou assim a CCA, escritório onde nos últimos anos acompanhou vários casos mediáticos (como os processos da IURD contra a TVI, no âmbito do caso das alegadas adoções ilegais) e operações de grande dimensão em áreas como as Telecomunicações, Media e Tecnologia (TMT).

“Estou verdadeiramente satisfeito com a decisão de integrar a Abreu, uma sociedade que sempre se destacou no nosso mercado pela sua independência e dinâmica, e que tem sido pioneira em matérias como a tecnologia ou a sustentabilidade, que têm permitido um exponencial e firme crescimento”, referiu Martim Meneses, em comunicado.

Com o mais recente sócio integram também a área de Contencioso e Comercial da Abreu os advogados Tiago Leote Cravo (associado principal, vindo da Garrigues), Sara Mendonça (associada, vinda da CCA) e Pedro Tavares Pereira (associado, também ex-CCA).

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários