Mastercard aposta no reforço da verificação de identidade com compra da Ekata por 850 milhões de dólares

A Mastercard vai avançar com a aquisição de uma empresa norte-americana de verificação de identidade. O objetivo é dar passos na verificação de identidade no âmbito da estratégia sobre as interações digitais.

Andrew Harrer/Bloomberg

A Mastercard vai comprar a Ekata, uma empresa norte-americana de verificação de identidade, por 850 milhões de dólares. A decisão está inserida no reforço da nova abordagem sobre a evolução das interações digitais, bem como a convicção de que a identidade digital irá criar confiança.

“A mudança para um mundo mais digital requer soluções reais para proteger todas as transações e incutir confiança em todas as interações”, disse Ajay Bhalla, presidente de soluções cibernética e de inteligência da Mastercard, em comunicado publicado esta segunda-feira.

A Mastercard sublinha que a Ekata trabalha com uma ampla gama de comerciantes globais, instituições financeiras, agências de viagens, mercados e plataformas de moedas digitais, realçando que a empresa usa insights para dar pontuações, atributos de dados e indicadores de risco de forma a que as empresas tomem decisões mais informadas.

“Com a aquisição da Ekata iremos avançar nas nossas capacidades de identidade e iremos criar uma forma segura e contínua para os consumidores provarem quem eles dizem ser na nova economia digital”, vinca Ajay Bhalla.

A Mastercard afirma, assim, que a aquisição irá permitir “atender às necessidades de tomada de decisão em tempo real, desde a abertura de novas contas até ajudar os comerciantes a avaliar possíveis fraudes antes que uma transação de pagamento seja autorizada”.

Recomendadas

Centeno diz que restrições do Novo Banco não são compatíveis com calendário de venda do EuroBic

“Neste momento o Novo Banco não tem condições para fazer aquisições” disse Mário Centeno, lembrando que “no futuro, o banco tem de demonstrar que tem capacidade [em termos de capital] para fazer aquisições”.

Injeção do Fundo de Resolução no Novo Banco excluindo todos os litígios é de 429,3 milhões

A dedução relativa à sucursal de Espanha é apenas de 147 milhões uma vez que houve um ligeiro efeito de libertação de RWA. O valor total das reduções aos 598 milhões de euros pedidos pelo Novo Banco é de 169 milhões de euros, apurou o Jornal Económico.

Centeno: “Só em 2015 o Fundo de Resolução entrou para o perímetro das administrações públicas”

“A questão sobre o impacto para os contribuintes tem a mesma interpretação hoje que tinha em 2017”, disse o ex-ministro das Finanças.
Comentários