Mastercard aposta no reforço da verificação de identidade com compra da Ekata por 850 milhões de dólares

A Mastercard vai avançar com a aquisição de uma empresa norte-americana de verificação de identidade. O objetivo é dar passos na verificação de identidade no âmbito da estratégia sobre as interações digitais.

Andrew Harrer/Bloomberg

A Mastercard vai comprar a Ekata, uma empresa norte-americana de verificação de identidade, por 850 milhões de dólares. A decisão está inserida no reforço da nova abordagem sobre a evolução das interações digitais, bem como a convicção de que a identidade digital irá criar confiança.

“A mudança para um mundo mais digital requer soluções reais para proteger todas as transações e incutir confiança em todas as interações”, disse Ajay Bhalla, presidente de soluções cibernética e de inteligência da Mastercard, em comunicado publicado esta segunda-feira.

A Mastercard sublinha que a Ekata trabalha com uma ampla gama de comerciantes globais, instituições financeiras, agências de viagens, mercados e plataformas de moedas digitais, realçando que a empresa usa insights para dar pontuações, atributos de dados e indicadores de risco de forma a que as empresas tomem decisões mais informadas.

“Com a aquisição da Ekata iremos avançar nas nossas capacidades de identidade e iremos criar uma forma segura e contínua para os consumidores provarem quem eles dizem ser na nova economia digital”, vinca Ajay Bhalla.

A Mastercard afirma, assim, que a aquisição irá permitir “atender às necessidades de tomada de decisão em tempo real, desde a abertura de novas contas até ajudar os comerciantes a avaliar possíveis fraudes antes que uma transação de pagamento seja autorizada”.

Recomendadas

Trabalhadores da CGD em greve ao trabalho extraordinário até 14 de janeiro

A partir do próximo dia 13 de dezembro, data de início à greve às horas extraordinárias, os trabalhadores assumem que apenas vão cumprir as sete horas de trabalho.

Banco Montepio emite obrigações sobre 357 milhões de crédito ao consumo

A carteira “Pelican Finance” é uma titularização de crédito ao consumo performing. Não é por isso uma venda de carteira de malparado, explicou ao Jornal Económico fonte do banco. A titularização foi colocada junto de investidores institucionais internacionais, em cinco tranches colateralizadas.

Mckinsey alerta que bancos continuam com rentabilidades abaixo do custo de capital

A Mckinsey considera que a indústria, no seu conjunto, está preparada para uma recuperação que poderá colocar o return on equity (ROE) entre 7% e 12% até 2025. Mas o foco estará no modelo de negócio que os bancos adoptarem.
Comentários