Maxyield apela que a Sodim suba preço da OPA da Semapa para defender minoritários

“É importante referir que a Semapa controla 70% do capital da Navigator (negócio da pasta e papel), cuja participação tem o valor de 1.400 milhões de euros. Este valor é largamente superior àquele que a holding da família Queiroz Pereira quer pagar”, defendem os acionistas minoritários.

A posição preliminar da Maxyield – Clube dos Pequenos Acionistas da Sodim à OPA da Semapa é a de que o preço é baixo.

A Sodim SGPS (holding da família Queiroz Pereira) acabou de lançar uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) geral e voluntária sobre a Semapa, oferecendo 11,40 euros por ação, relativamente à qual controla mais de 73% do capital, e os pequenos acionistas agrupados na Maxyield consideram baixa a oferta porque o negócio avalia a Semapa em quase 930 milhões de euros, o que não reflete o valor da posição da Semapa na Navigator.

“É importante referir que a Semapa controla 70% do capital da Navigator (negócio da pasta e papel), cuja participação tem o valor de 1.400 milhões de euros. Este valor é largamente superior àquele que a holding da família Queiroz Pereira quer pagar, e encontra-se calculado com base na cotação da Navigator de 19 de fevereiro no fecho do mercado bolsista”, diz a organização.

As restantes áreas de negócio da Semapa (cimento e ambiente) em 2020 correspondem a 45% dos resultados consolidados atribuíveis aos seus acionistas e cerca de 30% do EBITDA consolidado, sendo que apresentam um contributo crescente para o desempenho comercial e financeiro do Grupo.

“É evidente a subavaliação do valor de mercado feita pela Sodim – SGPS à Semapa. Ao contrário da generalidade das sociedades cotadas, a Semapa não apresenta no seu website as recomendações e ‘price targets’ dos analistas. Porém, o consensus de analistas publicado na ultima Newsletter Investiments do Millennium bcp apresenta o ‘price target’ de 17,3 euros. Isto significa que a média dos price targets se encontra 52% acima do valor oferecido pela família Queiroz Pereira”, argumentam os pequenos acionistas da Semapa.

A Maxyield sustenta que “a nível internacional a forma simples e rápida de apurar o valor duma empresa é feita através dum múltiplo do EBITDA. Observando os valores do EBITDA, abstraindo o impacto negativo da pandemia Covid-19 em 2020 e considerando as métricas internacionais, é claro e obvio que o valor da Semapa é muito superior à avaliação de 930 milhões de euros feita pela holding da família Queiroz Pereira”, dizem.

Face ao “baixo valor da oferta relativamente ao valor real, pretende-se comprar galinha gorda por pouco dinheiro”, aponta a Maxyield.

Por outro lado, dizem, “o desempenho consolidado da Semapa mostra a sua capacidade para gerar resultados e fundos de exploração”.

O valor que a família Queiroz Pereira pretende despender pela aquisição é de 260 milhões “que é inferior ao valor de mercado e dos ativos correspondentes ao capital que pretende adquirir”, justificam.

Pelas razões expostas a Maxyield – Clube dos Pequenos Acionistas “acha o valor oferecido muito baixo e a negociação bolsista por um valor superior, confirma este sentimento”, concluem.

Para comprar os 27,3% que o grupo Queiroz Pereira não detém na Semapa, a Sodim SGPS tem de dispor de 260 milhões de euros. A ‘holding’ vai financiar a OPA com crédito e o sindicato bancário que a financia é composto pela CGD, BCP e Santander, sabe o Jornal Económico.

A organização que tem Gonçalo Sequeira Braga nos órgãos sociais considera que com esta OPA, “a família Queiroz Pereira está a cometer um erro trágico, que vai afetar gravemente as suas relações com o mercado de capitais, dado que o valor subjacente à sua oferta (da Semapa) é muito inferior ao Entreprise Value da Navigator, da Secil e da ETSA, as suas subsidiárias nos negócios da Pasta e do Papel, do Cimento e do Ambiente”.

Pelo que, “sem um aumento substancial do valor oferecido, estamos perante uma perda por parte dos pequenos acionistas detentores de participações inferiores a 2%”.

“E, também implicará para acionistas terceiros com participações qualificadas, uma perda de valor do seu investimento”, dizem.

A Maxyield defende que a família Queiroz Pereira deve ajustar as condições da OPA ao valor real dos ativos detidos pela Semapa (Navigator, Secil e ETSA).

O grupo de minoritários garante que vai continuar a “acompanhar este assunto com a maior atenção, e evitar a repetição de situações de sangria financeira que a história empresarial portuguesa conhece”.

O Jornal Economico sabe que Sodim não tenciona subir o preço da OPA.

A administração da Semapa tem de se pronunciar dentro do prazo legal.

Ler mais

Recomendadas

Sonae reforça posição na Sonae Sierra ao comprar 10% do capital desta à Grosvenor

O grupo com sede na Maia passa assim a deter 80% da Sonae Sierra, depois de adquirir 10% por uns estimados 82,16 milhões de euros à Grosvenor.

CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.

Administração da Semapa diz que preço da OPA da Sodim é o adequado

A administração da Semapa considera a OPA oportuna e o preço de 11,40 euros, bem como as restantes condições, são as adequadas.  A Semapa também diz que a OPA não prevê a necessidade de proceder a alterações às condições atuais dos trabalhadores e que o perfil de risco de crédito da empresa não será alterado.
Comentários