Mazars com crescimento de 10,4% do volume de negócios

Em Portugal, a Mazars registou um desempenho positivo em 2018/2019. No horizonte 2020 perspetiva-se que a conjugação do crescimento orgânico com operações de crescimento externo permita um crescimento a dois dígitos, acrescenta a empresa internacional de auditoria e consultoria.

A consultora Mazars reportou para 2019 um crescimento do volume de negócios de 10,4% (9% orgânico).

“A Mazars, empresa internacional de auditoria e consultoria, anuncia hoje um volume de negócios de 1.8 mil milhões  de euros referente ao exercício fiscal 2018/2019 (de 1 de setembro de 2018 a 31 de agosto de 2019), um crescimento de 10,4% (excluindo o impacto cambial de +0,2%) em comparação com o exercício anterior. O aumento foi suportado por um forte crescimento orgânico de 9%, complementado por um crescimento externo de 1,3%”, lê-se no comunicado.

“Este é o mais elevado valor de crescimento orgânico registado pela Mazars desde 2011/2012″, diz Hervé Hélias, CEO & Chairman do Grupo.

“Este desempenho resulta da combinação do elevado nível de especialização e do forte compromisso das nossas equipas em oferecer aos nossos clientes uma experiência excelente em todo o mundo, além de um verdadeiro reconhecimento dos benefícios do modelo de partnership integrado da Mazars. A Mazars é um parceiro de confiança para organizações de todos os tipos, não apenas para empresas cotadas”, diz o CEO da Mazars.

A Mazars é uma empresa internacional, integrada e independente, especializada em auditoria e revisão de contas, contabilidade, consultoria e assessoria fiscal que está presente em 91 países incluindo Portugal.

“A auditoria está no centro da expertise da Mazars e continuará a ser o seu principal negócio nos próximos anos. Para dar suporte às crescentes necessidades dos clientes, a Mazars construiu uma oferta significativa em serviços de consultoria, fiscalidade e compliance. Hoje, auditoria e contabilidade representam 63% da receita total e a consultoria 37%”, explica a empresas.

O crescimento em 2018/2019 foi: auditoria +8,5%, serviços de contabilidade e outsourcing +8,2%, consultoria +24,2%, assessoria fiscal +9,9%, jurídico (não contemplado na oferta de serviços em Portugal) +34,9% e serviços de consultoria financeira +9,5%.

A empresa diz que o ano passado foi “marcante para a expansão internacional” e que está no “caminho para alcançar os objetivos de 2020”.

Para além dos resultados financeiros, 2019 assistiu também à assinatura do acordo Mazars North America Alliance, em julho.

“A Mazars North America Alliance representa um acordo marcante entre a Mazars e cinco empresas líderes na América do Norte e Canadá – BDK, Dixon Hughes Goodman, Moss Adams, Plante Moran (EUA) e MNP (Canadá)”, lê-se no comunicado.

A Mazars North America Alliance representou “uma grande mudança para a Mazars, que passa a ter total cobertura na América do Norte e a disponibilizar aos clientes internacionais acesso a mais de 16.000 profissionais na região”. A Mazars conta agora com 40.400 profissionais em todo o mundo (24.400 fazem parte do partnership integrado) e 318 escritórios em 91 países e territórios.

Relativamente ao crescimento estratégico da firma, Hervé Hélias diz no comunicado que “há quatro anos atrás, definimos um plano estratégico ambicioso chamado Next-20. A nossa expansão na China para alcançar dimensão crítica neste vasto mercado e o desenvolvimento de uma oferta competitiva e forte na América do Norte estavam no topo das nossas prioridades, em conjunto com uma transição suave na gestão de topo, com uma sucessão bem planeada de Phillip Castagnac no papel de Presidente do Grupo. Hoje, orgulho-me em poder dizer que esses objetivos foram alcançados. A nossa meta para 2020 é atingir 2 mil milhões de euros de volume de negócios, e sinto-me confiante de que conseguiremos lá chegar.”

A expansão internacional da Mazars reflete-se na distribuição geográfica das suas fontes de receita, com mais de um terço do volume de negócios proveniente de fora da Europa.

“Todas as regiões registaram um forte crescimento em 2018/2019: 7,8% na Europa Ocidental, 13,6% na Europa Central e Oriental, 12,1% na América do Norte, 13,1% na América Latina, 9,4% na África e Meio Oriente, com o maior crescimento registado na Ásia-Pacífico (22,6%). A Ásia-Pacífico representa agora 15% do volume de negócios total da Mazars. Na China, a empresa possui mais de 4.000 colaboradores e mais de 30 escritórios. As operações da Mazars na China integram 137 grandes empresas cotadas e registaram um crescimento de 19% no ano passado. Na Austrália, a Mazars cresceu 100% em 2019, graças à integração de duas empresas locais”, acrescenta a empresa.

Em Portugal, a Mazars registou um desempenho positivo em 2018/2019. No horizonte 2020 perspetiva-se que a conjugação do crescimento orgânico com operações de crescimento externo permita um crescimento a dois dígitos.

A firma conta com 180 colaboradores, distribuídos por três escritórios e liderados por uma equipa de seis partners.

Ler mais
Recomendadas

Ordem dos Advogados: Conselho Regional de Lisboa pede isenção de três meses no pagamento das quotas

O conselho que reúne mais de metade dos 32 mil advogados inscritos na Ordem pede auxílio financeiro para mitigar os efeitos que o novo coronavírus traz ao rendimento mensal de muitos destes profissionais.

Efeitos jurídicos das medidas governativas no âmbito do combate à Covid-19

Poder-se-ia sustentar que apoios à manutenção de postos de trabalho são também apoios às empresas. Contudo, os referidos apoios exigem uma disponibilidade financeira imediata das empresas.

Respostas rápidas: como funciona o regime do ‘lay-off’ simplificado?

O ‘lay-off’ simplificado é uma das medidas anunciadas pelo Governo destinadas a apoiar as empresas durante a pandemia da Covid-19. No entanto, o texto legislativo tem deixado algumas dúvidas de interpretação. O escritório Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados fez um estudo em que pretende dissipar algumas dúvidas.
Comentários