McDonald’s apoia colaboradores através da oferta de bolsas de estudo

“Apesar do ano atípico que se está a viver, não podíamos deixar de continuar a apoiar e cuidar dos nossos colaboradores, bem como reconhecer o seu mérito”, explica a diretora de Recursos Humanos da McDonald’s Portugal

A McDonald’s Portugal anunciou esta quinta-feira, 8 de outubro, que vai reforçar o apoio aos seus colaboradores e como tal criou um programa nacional de Bolsas de Estudo que pretende apoiar financeiramente as propinas dos seus colaboradores, num total de 100 mil euros anuais.

“Devido à pandemia, a McDonald’s delineou um plano de contingência que foi adaptando às diferentes fases de evolução do surto, tendo sempre como prioridade salvaguardar o bem-estar dos seus colaboradores e clientes. Em cada fase, o empenho, o espírito de colaboração e o otimismo com que as equipas enfrentaram cada novo desafio foi fundamental para o sucesso da operação”, referiu Sofia Mendonça, diretora de Recursos Humanos da McDonald’s Portugal, em comunicado.

A marca explicou que a medida está alinhada com os seus três pilares de atuação, sendo a formação um deles e que decorre “através do programa nacional de Bolsas de Estudo UP e do desenvolvimento de competências, pelas mais de 50 mil horas de formação anuais proporcionadas pelo seu próprio Centro de Formação, certificado pela Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho”

Os outros pilares correspondem à flexibilidade “através de uma gestão de horários adaptada às necessidades de cada pessoa e dos restaurantes, permitindo conciliar o trabalho com estudos, com outro trabalho ou outra atividade” e à “valorização contínua pelo reconhecimento, premiação, evolução na carreira e promoção de melhores condições de vida”.

“Apesar do ano atípico que se está a viver, não podíamos deixar de continuar a apoiar e cuidar dos nossos colaboradores, bem como reconhecer o seu mérito. No atual contexto difícil em que vivemos, o nosso compromisso com as nossas pessoas sai reforçado: continuamos a cuidar e a apoiar, através da formação, da flexibilidade e gestão de horários, bem como da valorização e reconhecimento”, explicou Sofia Mendonça.

“Contudo, queremos ir ainda mais longe e apoiar os nossos colaboradores a construírem o seu futuro, pelo que é com orgulho que apresentamos o programa UP – um programa nacional de Bolsas de Estudo – que irá atribuir 200 bolsas de estudo por ano a colaboradores da McDonald’s, com o objetivo de os apoiar e incentivar a ingressar ou a concluir o Ensino Superior, bem como contribuir para o seu desenvolvimento pessoal e profissional”, garante a diretora de Recursos Humanos.

A McDonald’s Portugal, atualmente, conta com 8.500 colaboradores e 177 restaurantes, no continente e ilhas, e 90% dos estabelecimentos são geridos por empresários locais.

Em julho, a pandemia motivou uma quebra no lucro da McDonald’s para o nível mais baixo em 13 anos. Entre abril e junho deste ano, a McDonald’s ganhou cerca de 412,2 milhões de euros, o que corresponde a menos 68% em relação ao mesmo período de 2019.

Ler mais
Relacionadas

McDonald’s processa antigo CEO por alegada conduta sexual imprópria e falso testemunho

Depois de ser afastado por manter uma relação com uma funcionária, Steve Easterbrook é agora processado pela cadeia de fast-food, que quer recuperar os valores pagos ao ex-CEO aquando da sua saída

McDonald’s regista lucro trimestral mais baixo em 13 anos

A cadeia de ‘fast-food’ apresentou um resultado líquido de 483,8 milhões de dólares entre abril e junho, menos 68% em relação ao mesmo período de 2019. “A forte presença ‘drive-thru’ e os investimentos que fizemos em entrega e digital nos últimos anos serviram-nos bem nestes tempos incertos”, diz o CEO.
Recomendadas

Conheça as mulheres que estão a dar cartas no negócio dos vinhos em Portugal

JE conta a história de Leonor Freitas, da Casa Ermelinda Freitas, Olga Martins, da Lavradores de Feitoria, Rita Nabeiro, da Adega Mayor, Filipa Pato, da Pato e Wouters, e Luísa Amorim, da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo e Quinta da Taboadella.

Concorrência acusa Modelo Continente, Pingo Doce, Auchan e Active Brands de concertarem preços

As retalhistas terão utilizado o relacionamento comercial com a Active Brands – do grupo Gestvinus e até então fornecedora das marcas Licor Beirão e Porto Velhotes – para alinharem os preços de venda ao público.

As empresárias que tratam o vinho como alguém da família

O Jornal Económico dá a conhecer cinco empresárias que deixam a sua marca numa indústria onde a igualdade de género ainda tem um longo caminho a percorrer. De Leonor Freitas a Rita Nabeiro, passando por Luísa Amorim, estes são apenas alguns nomes que se têm destacado no mundo dos vinhos e que há muito se habituaram a tratar por “tu” o néctar de Baco.
Comentários