McKinsey defende importância do investimento em ativos intangíveis para o crescimento das empresas

Empresas que estão entre as 10% que mais crescem investem 2,6 vezes mais em ativos intangíveis do que as restantes 50% que menos crescem, revela estudo da consultora. Exemplo de ativos intangíveis são a propriedade intelectual, a pesquisa, a tecnologia e software e o capital humano.

A McKinsey Global Institute analisou o impacto dos ativos intangíveis na produtividade e no crescimento e concluiu que as “empresas que estão entre as 10% que mais crescem investem 2,6 vezes mais em ativos intangíveis do que as restantes 50% que menos crescem”. Exemplo de ativos intangíveis são a propriedade intelectual, a pesquisa, a tecnologia e software e o capital humano.

A consultora conclui que os sectores que investiram mais de 12% do seu valor acrescentado bruto em ativos intangíveis alcançaram um crescimento 28% superior ao de outros sectores.

“O investimento em ativos intangíveis, tais como a propriedade intelectual, pesquisa, tecnologia e software e capital humano, aumentou exponencialmente ao longo do último quarto de século, e a pandemia de Covid-19 parece ter acelerado esta transição para uma economia desmaterializada”, conclui o estudo.

O estudo desenvolvido pelo McKinsey Global Institute (MGI) “Intangíveis: O futuro do crescimento e da produtividade?” demonstra que as economias que estão a aumentar o investimento em intangíveis estão também a registar um crescimento na produtividade total dos fatores.

O estudo utiliza ‘insights’ de um novo inquérito levado a cabo junto de mais de 860 executivos nos Estados Unidos e em dez países europeus, juntamente com dados sectoriais da base de dados da INTAN-Invest, e explora a correlação entre o investimento em intangíveis e o desempenho de sectores, economias e empresas, para descobrir a fórmula para a implantação eficaz de ativos intangíveis com o objetivo de impulsionar o crescimento.

“No século XIX, as ferramentas de crescimento eram máquinas industriais; as ferramentas da futura economia do conhecimento serão os ativos intangíveis. Podemos estar a assistir a uma nova etapa na história do capitalismo baseada na aprendizagem, no conhecimento e no capital intelectual”, refere Duarte Braga, Managing Director da McKinsey Iberia.

“À medida que as economias recuperam da pandemia, pode uma onda de investimentos em intangíveis dar uma nova vida à produtividade e ao crescimento? É bem possível, mas a chave não será apenas o investimento em intangíveis, mas a garantia de que estes são implantados de forma eficaz”, refere a McKinsey.

O estudo desenvolvido pelo McKinsey Global Institute conclui que “mesmo com perturbações na economia, os investimentos em intangíveis têm aumentado. Nos últimos 25 anos, os Estados Unidos e dez economias europeias alcançaram um crescimento de 63% no VAB (Valor Acrescentado Bruto). Durante esse período, o investimento em intangíveis aumentou 29%, ou mais de 1,6 biliões de euros”.

O investimento em intangíveis num sector está correlacionado com o respetivo crescimento, é outra das conclusões. “O investimento em intangíveis está a aumentar em todos os sectores, mas os sectores que investiram a maior parte do seu VAB em ativos intangíveis cresceram mais rapidamente. A relação é mais forte em serviços intensivos em conhecimento, como serviços financeiros, e em sectores de serviços impulsionados pela inovação, como telecomunicações, media e tecnologia”.

Outra conclusão é que, independentemente do sector, as empresas que investem mais em intangíveis crescem mais. As empresas que mais crescem (top growers), que estão no quartil superior do crescimento do VAB em 2018-19 por sector (crescimento mediano de 20% em 2018-19) estão a investir 2,6 vezes mais em intangíveis do que as empresas que menos crescem (low growers), que estão entre as 50% que apresentam um menor crescimento do VAB em 2018-19 (crescimento de 3% em 2018-19).­

“Os atuais top growers não só investem mais em intangíveis, mas também assumem riscos para os implementar e desenvolvem capacidades necessárias para acelerar o impacto. A combinação de alto investimento e implantação eficaz é o principal diferenciador entre top growers e low growers“, diz a McKinsey.

“Não basta investir no acesso aos dados. É preciso haver uma estratégia de dados com processos rigorosos, tomada de decisão em tempo real, arquiteturas flexíveis e uso de investimentos em intangíveis para incorporar dados, talento e inovação nas operações do dia-a-dia”, conclui o estudo que refere que os top growers têm uma mentalidade de teste e aprendizagem, e entendem a necessidade de reexaminar continuamente que tipo de intangíveis têm maior probabilidade de gerar competitividade e crescimento, que podem ser escalonados e que têm maior probabilidade de gerar sinergias.

A McKinsey defende que os executivos e decisores políticos devem identificar o que é necessário para concretizar a oportunidade proporcionada pelos intangíveis. Como exemplo, se mais 10% das empresas atingissem a mesma parcela de investimento em intangíveis e crescimento do VAB que os top growers, isso poderia gerar mais 800 mil milhões de euros em VAB ou um aumento de 2,7% entre os sectores nas economias da OCDE. “Para as empresas, a implementação e a mentalidade são importantes. Para as empresas e para a sociedade em geral, à medida que a economia intangível e digitalizada se dissemina, o imperativo de requalificação torna-se ainda mais urgente”.

“Os governos podem desempenhar um papel fundamental não apenas na requalificação, mas também na garantia de que a infraestrutura de conhecimento correta esteja instalada, incluindo educação, tecnologia de comunicação, planeamento urbano e gastos públicos em ciência”, conclui a análise.

Recomendadas

Autárquicas: Volt diz ser de “mau tom” que PRR seja utilizado para propaganda eleitoral

O líder do Volt Portugal, que participou numa arruada no Porto, considera que a ideia de que os candidatos socialistas possam ser beneficiados na utilização dos fundos do PRR “é inconcebível” e deve fazer Governo e candidatos refletir.

Reatia, a startup de Leiria que juntou algoritmos à venda de casas

“Somos uma startup de Leiria e, por isso, a nossa sede continua a ser, orgulhosamente, nesta cidade”. É desta forma que o empreendedor português Hugo Venâncio, que em 2019 fundou a tecnológica Reatia, começa por explicar ao Jornal Económico (JE) que as raízes da Beira Litoral não se perdem apesar das provas que esta empresa […]

Salário médio dos CEO subiu 1.304% mais do que um trabalhador médio em 40 anos

Só em 2020, os CEOs das 350 maiores empresas dos Estados Unidos ganharam 24,2 milhões de dólares (20,6 milhões de euros), ou 351 vezes o salário do trabalhador médio.
Comentários