PremiumMecenas financiam projeto de formação de sete milhões de euros

Banco Santander, Vanguard Properties, empresária Ming C. Hsu, Amaral y Hijas, bi4all, família Alves Ribeiro e Fundação José Neves são doadores, revela Pedro Santa Clara, Diretor da 42 ao Jornal Económico.

A 42 tem um ensino inovador e inclusivo. Em Portugal responde a uma necessidade do mercado para a formação de profissionais na área da programação. Pedro Santa Clara é o Director da Escola:

Quanto vai custar a escola? Que investimento requer?
O financiamento inicial para os primeiros cinco anos de atividade será de sete milhões de euros. Estamos, neste momento, a fazer o fundraising para os primeiros cinco anos, mas posso dizer-lhe que já conseguimos assegurar cinco milhões. Este montante servirá para cobrir os custos da operação, gerida por uma associação sem fins lucrativos, de forma a oferecer o programa sem custo para os alunos. Parte do nosso objetivo também é desenvolver projetos paralelos que tornem a escola autosustentável sempre dentro deste princípio sagrado que os alunos não pagam propinas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

PremiumBraga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão de que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a Banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes. Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.

PremiumPresidente da AEP: “Regredimos mais de uma década ao nível das exportações”

Longe de terem desaparecido, os problemas de capitalização das empresas podem encontrar forte apoio no Banco de Fomento. Mas Luís Miguel Ribeiro, presidente da Associação Empresarial de Portugal, considera que também é necessário um choque fiscal.
Comentários