Media Capital. ERC acena com possível suspensão dos direitos de voto dos novos acionistas

A empresa Pluris, de Mário Ferreira, comprou 30% da Media Capital à Vertix, da espanhola Prisa, e poderá ficar com os direitos de voto suspensos. Suspensão também se aplica aos outros acionistas qualificados.

O Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) acenou, esta segunda-feira, com a suspensão imediata do exercício dos direitos de voto dos novos acionistas qualificados da Media Capital se estes não dissiparem as dúvidas “fundadas” quanto à identidade das entidades efetivamente titulares destas participações no grupo de media, dono da TVI.

A ERC considera que existem “fundadas dúvidas” sobre a identidade atual dos novos acionistas qualificados — participações sociais superiores a 5% — da Media Capital e, por isso, decidiu notificá-los, ao abrigo da Lei da Transparência da Comunicação Social, da falta de transparência de titularidade das participações qualificadas (ou dos direitos de voto superiores a 5%).

Estes acionistas têm dez dias para apresentarem provas à ERC, ou tomarem medidas com vista a assegurar a transparência da titularidade das respectivas posições qualificadas.

Ora, prossegue a deliberação, “caso” essas provas ou essas medidas não sejam aceites pela ERC”, há a possibilidade de ser decretada a suspensão imediata do exercício dos direitos de voto e dos direitos patrimoniais inerentes às participações qualificadas em causa, havendo ainda lugar ao depósito dos direitos patrimoniais em conta individualizada aberta, sendo proibida a sua movimentação durante a suspensão.

Os acionistas em causa foram as empresas que, durante o processo de desinvestimento da Vertix na Media Capital, terminado a 3 de novembro deste ano, adquiriram participações qualificadas no grupo de media português. São eles a Pluris, de Mário Ferreira, com 30,22%, a Triun, com 23%, a BizPartners, com 11,9725%, a CIN, com 11% e a ZenithOdissey, com 10%.

Porque razões a ERC tem dúvidas “fundadas” sobre a titularidade das participações qualificadas na Media Capital?

A questão é juridicamente complexa. A ERC abriu um processo de contra-ordenação, no passado dia 15 de outubro, contra a venda de 30,22% do capital que a Vertix detinha na Media Capital à Pluris por ter considerado que existiam “fortes indícios” de alteração não autorizada de domínio sobre os operadores de rádio e de televisão a operar sob licença do grupo de media.

Ora, no decurso deste processo contra-ordenacional, a ERC poderá concluir que aquele negócio de compra e venda padece de vícios que afetam a sua subsistência jurídica. Vícios esses que se são passíveis de declarar o negócio entre a Vertix e a Pluris nulo ou anulável e que conduzirão à respectiva ineficácia jurídica.

A nulidade e a anulabilidade são dois vícios da vontade negocial que, quando declarados, ‘destroem’ os efeitos dos negócios jurídicos. A nulidade, contudo, é mais ‘severa’, uma vez que não é sanável e acarreta a ‘destruição’ retroativa dos efeitos jurídicos. Isto é, remonta até à data do facto jurídico que lhe deu origem. No caso do contrato de compra e venda entre a Pluris e a Vertix, se declarado nulo, este deixaria de produzir efeitos até ao dia 14 de maio, data em que foi concluído.

Tanto uma possibilidade como a outra — a nulidade a anulabilidade — levantam, para a ERC “no mínimo , “fundadas dúvidas” sobre a validade da atual titularidade das participações sociais no Grupo Medida Capital e, indiretamente, de todas as suas sociedades participadas, incluindo operadores de rádio e televisão, assim como do domínio destas”.

Qual seria então a consequência? Responde a ERC, referindo que “a eventual ineficácia de negócios de transmissão da titularidade de participações qualificadas (superiores a 5%) poderá ter como consequência uma reversão da titularidade” das participações sociais na Media Capital.

Por isso, defende a entidade reguladora, que torna “incerto o titular efetivo dessa participação — o alegado comprador ou o anterior detentor” na fase instrutória atual do processo de contraordenação.

Ou seja, o negócio entre a Pluris e a Vertix, se declarado nulo ou anulável, não só ‘destrói’ os efeitos jurídicos, como repõe a situação jurídica que existiria se este acordo não tivesse sido firmado. Ora, estando a correr o processo de contraordenação, permanece a dúvida (jurídica) sobre quem seria o efetivo titular da posição de 30,22% na Media Capital: a Pluris ou a Vertix.

A ERC levanta ainda mais duas dúvidas. Por um lado, está prevista para esta terça-feira, 24 de novembro, uma assembleia geral do Grupo Media Capital. Trata-se de uma reunião na qual, “se prevê exercerão direitos os (novos) titulares de participações sociais, sobre a validade das quais impende a investigação em curso”.

Por outro lado, na semana passada, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) obrigou a Pluris a lançar uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a totalidade do capital da Media Capital que não controla — 69,78% do capital — por ter considerado que a Pluris a Vertix, exerceram influência dominante sobre a Media Capital de forma concertada.

Neste sentido, prossegue a ERC, “o necessariamente incerto resultado final dessa OPA obrigatória mais incerteza junta à validade da titularidade (da maioria) do capital representado na Assembleia Geral” que se realiza amanhã.

Por isso, conclui a ERC “verificam-se necessariamente “fundadas dúvidas” sobre a identidade” de entidades efetivamente titulares de participações qualificadas” na Media Capital.

ERC pede a não realização dos trabalhos na assembleia geral

Além da possível suspensão dos direitos de voto e dos direitos patrimoniais inerentes às participações sociais em causa, a ERC adverte que não vai reconhecer qualquer decisão adotada durante a assembleia geral que envolva “uma alteração de domínio, dos operadores de rádio e de televisão da Media Capital” porque carecem de autorização prévia.

Assim, conclui a entidade reguladora, impende sobre os órgãos sociais, em particular o presidente da mesa da assembleia geral, o dever “de não permitir a realização dos trabalhos ou tomada de decisões que inviabilizem o espírito ou efeitos da lei, salientando a inoponibilidade do desconhecimento, após a notificação, a todos os visados”.

 

(notícia atualizada às 21h17 com mais informação)

Ler mais
Relacionadas

Dona da TVI discorda dos “entendimentos” da CMVM sobre nomeação de Alves Monteiro

Dona da TVI rejeita que a CMVM considere que Manuel Alves Monteiro, atual CEO da Media Capital não podia ter sido nomeado administrador independente.

Pluris discorda da fundamentação da CMVM para lançar OPA sobre 70% da Media Capital

Pluris “lamenta” que a CMVM não tenha considerado as provas apresentadas para ilidir a presunção de exercício concertado com a Vertix sobre a Media Capital, que salienta ter sido “delimitado no tempo e terminado a 3 de novembro”, em comunicado.

Mário Ferreira tem cinco dias úteis para lançar OPA sobre 70% de dona da TVI

O empresário já controla 30% da Media Capital, mas a CMVM obriga-o agora a lançar uma oferta sobre a totalidade da cotada. A CMVM concluiu que a “Pluris e a Vertix exerceram, de forma concertada influência dominante sobre a Media Capital”. Mário Ferreira fica agora obrigado a apresentar uma oferta mínima de 0,423 euros por ação da dona da TVI.
Recomendadas

Propostas dos operadores superam os 194 milhões de euros no quinto dia da licitação principal do leilão do 5G

Em leilão estão faixas dos dos 700 MHz, 900 MHz, 2,1 GHz, 2,6 GHz e 3,6 GHz. No conjunto dos mais de 50 lotes em concurso, o preço base total é de 195,9 milhões. Esta quarta-feira, sete lotes viram o seu preço base aumentar.

Sindicatos da TAP foram avisados de que BE ia propor auditoria à gestão de Neeleman

A auditoria proposta pelo Bloco de Esquerda não será viabilizada no Parlamento. O projeto de resolução entregue pelo BE a recomendar ao Governo uma auditoria à gestão privada da TAP, não chegará a qualquer conclusão no sentido de saber quais são as efetivas responsabilidades do empresário David Neeleman na gestão da TAP e na situação financeira em que a companhia aérea se encontra.

AHRESP defende revogação da medida que proíbe venda de bebidas em ‘take-away’

A associação refere que a medida “apenas vai prejudicar a já difícil situação dos estabelecimentos”. A AHRESP acrescenta que “o que se quer prevenir é o consumo de produtos à porta do estabelecimento ou nas suas imediações, e não a venda”.
Comentários