Media Capital perdeu 14,4 milhões no primeiro semestre, com pandemia e descida das audiências

Grupo proprietário da TVI sofreu descida de 36% nas receitas, causada pela pandemia de Covid-19 e pela perda da liderança, para a SIC, nas audiências na televisão generalista. Media Capital acredita em recuperação e promete reforço de conteúdos em setembro.

A Media Capital registou um prejuízo de 14,4 milhões de euros no primeiro semestre do ano, valor que compara com um resultado líquido positivo de 5,9 milhões no mesmo período de 2019, anunciou este domingo o grupo proprietário da TVI, em comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O grupo de comunicação social, que tem como principais acionistas a empresa espanhola Prisa e o empresário Mário Ferreira, explica este resultado negativo com a descida das receitas de publicidade causada pela pandemia de Covid-19 e pela queda das audiências sofrida na sequência de a TVI ter perdido para a SIC a liderança na televisão generalista.

No primeiro semestre, a faturação total do grupo, que inclui também a rádio Comercial, a produtora Plural e outros ativos, registou uma descida de 36% em termos homólogos, para 55 milhões de euros, com um resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (EBITDA) negativo em 11 milhões euros, contrastando com um valor positivo de 14,2 milhões no mesmo período do ano passado.

“Durante o primeiro semestre, em resultado do efeito conjugado da pandemia e da redução de quota de audiência do principal canal televisivo (TVI – canal generalista) face ao período homólogo, os rendimentos operacionais do Grupo foram negativamente afetados, nomeadamente ao nível da publicidade. Estes impactos tiveram maior incidência nos meses de março a maio. De facto, os rendimentos operacionais consolidados recuaram 36% (37% no caso da publicidade) nos primeiros seis meses de 2020, sendo que as quedas percentuais mais significativas iniciaram-se em março (quando a pandemia foi declarada), tendo o seu pico em abril e mostrando forte desaceleração em maio e, especialmente junho”, refere o grupo no comunicado.

“Conforme mencionado, para além do efeito adverso da pandemia, é de relembrar que em 2019 a TVI era líder de audiências em all day até fevereiro e tendo mantido a liderança em prime time até junho desse ano, ou seja todo o primeiro semestre do ano anterior, e que em 2020, se comparam dados com um contexto no qual a TVI não liderou em qualquer desses slots horários”, adianta.

Grupo espera recuperação no segundo semestre

A Media Capital acrescenta que nos últimos meses tem-se assistido a uma recuperação das audiências dos canais de televisão do grupo. Além disso, “está previsto o reforço adicional dos conteúdos a partir de setembro”. Recorde-se que o grupo anunciou recentemente o regresso da apresentadora Cristina Ferreira, que saíra para a SIC no ano passado, a par de outras contratações tanto para a área de informação como de programas.

“Em junho verificou-se um desagravar dos impactos negativos, com a perspetiva de maior controlo da pandemia e o consequente relaxar do confinamento, o que melhorou os condicionalismos dos agentes económicos, ficando tal facto igualmente visível na atividade do Grupo. Esta melhoria é reiterada nas primeiras indicações do terceiro trimestre, não obstante a incerteza que ainda subsiste relativamente à duração da pandemia e aos seus impactos futuros”, frisa a Media Capital, acrescentando que as operações de rádio e digital “evidenciam robustez nos principais indicadores de performance (audiências)”.

“Desta forma, é através da continuação da melhoria dos contextos externo e interno que o Grupo antecipa um reforço do seu posicionamento competitivo no setor e um desagravamento substancial dos comparativos financeiros durante a segunda metade de 2020”, conclui a Media Capital.

Ler mais

Relacionadas

TVI já tem todos os nomes para a direção de informação

Confirmados os dois nomes avançados anteriormente, Anselmo Crespo e Pedro Mourinho, a estação anuncia que dois nomes da casa passam a integrar a direção: Lurdes Baeta e Joaquim Sousa Martins. Já Pedro Benevides deixa o Observador para passar a ser subdiretor de informação da TVI.

Cofina mantém interesse na Media Capital e diz que ERC é “insuscetível de influências”

A Media Capital classifica de “enorme gravidade” o comunicado da Entidade Reguladora para a Comunicação Social que refere que está a analisar as mudanças na estrutura acionista da TVI

CMVM está a analisar relação entre Prisa e Mário Ferreira e impacto no controlo da Media Capital

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários está a analisar a relação entre a Prisa e a Pluris Investments, do empresário Mário Ferreira, e o impacto da sociedade na estrutura acionista da Media Capital, revelou fonte oficial do regulador esta terça-feira.

Regresso de Cristina Ferreira à TVI não convence investidores: Media Capital afunda mais de 9% em bolsa

A dona da TVI está a sofrer uma forte queda na bolsa de Lisboa esta segunda-feira, a primeira sessão realizada depois de conhecido o regresso da senhora televisão à estação televisiva de Queluz de Baixo, após dois anos na sua rival. Já a dona da SIC esteve hoje a cair mais de 4% em bolsa depois da perda de uma das suas maiores estrelas, que catapultou a SIC de novo para a liderança nas audiências, acabando com o reinado da TVI.

Dona da SIC tomba 4% em bolsa depois da saída de Cristina Ferreira para a TVI

Rescisão unilateral de contrato com a SIC por parte de Cristina Ferreira, que vai regressar à TVI, empresa detida pela Media Capital, está a penalizar o grupo de media liderado por Francisco Pedro Balsemão.

Media Capital confirma à CMVM intenção de Cristina Ferreira ser acionista da empresa

A dona da TVI esclarece, em comunicado, que a referida declaração de intenções “enquadra-se na recente contratação da Cristina Ferreira como Diretora de Entretenimento e de Ficção da TVI”.
Recomendadas

Aeroporto de Beja “tem de ser aproveitado e valorizado”, garante ministra

Ana Abrunhosa falou ainda à “Antena 1” e “Negócios nos descontos nas ex-SCUT do interior do país, descartando avançar com uma data para avançarem, depois de ter dito no parlamento que medida entraria em vigor no terceiro trimestre. “Está a ser finalizada e oportunamente será comunicada”, diz.

Itália revê em alta projeções macroeconómicas e antecipa queda de 9% do PIB em 2020

O mesmo acontece em relação ao aumento da dívida pública para números entre os 158 e 159% do Produto Interno Bruto, depois de ter sido antecipado um cenário de 155,7% no início do segundo trimestre deste ano, por parte do governo transalpino.

Indústrias conserveiras ibéricas unem esforços para defender setor a nível europeu

A ANICP e a Anfaco-CEcopesca defendem que os acordos de comércio livre bilateriais da Europa com países terceiros, devem ter em consideração, não apenas a especificidade da indústria e a sua importância para as comunidades locais, como a concorrência desleal feita alguns destes países.
Comentários