Medidas do governo francês custaram 450 mil milhões de euros

Este valor foi utilizado para tentar manter sustentável a economia do país devido à pandemia do coronavírus e equivale a 20% do Produto Interno Bruto (PIB) gaulês.

As medidas do governo de França para manter sustentável a economia do país devido à crise do coronavírus custaram 450 mil milhões de euros.

A informação é dada pelo ministro das Finanças francês Bruno Le Maire, informa a agência “Reuters” esta segunda-feira, 25 de maio, citando a “BFM TV”.

Desde meados de março, o governo gaulês implementou um pacote de medidas, como licenças subsidiadas pelo Estado, empréstimos garantidos pelo Estado ou o adiamento de impostos. Este valor gasto pelo Executivo de Emmanuel Macron equivale a 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Bruno Le Maire revelou que o presidente Emmanuel Macron vai anunciar “medidas fortes” de apoio às construtoras, a mais recente indústria a obter um plano específico do setor para ajudar na sua recuperação.

Recomendadas

António Costa deixa Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje deixar Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu desta semana sobre o plano de recuperação europeu, por ter sentido também “claramente” no seu homólogo holandês “uma grande vontade” num compromisso.

Merkel manifesta incerteza sobre aprovação do plano de relançamento na cimeira europeia

A chanceler alemã Angela Merkel manifestou hoje incerteza pela possibilidade de um acordo entre os 27 países da União Europeia (UE) sobre um plano de relançamento de 750 mil milhões de euros proposto para enfrentar a pandemia do coronavírus.

Covid-19: Orçamento Suplementar da Madeira com reforço de 287,7 milhões de euros e sem agravamento fiscal

A proposta de Orçamento Suplementar da Madeira adiciona 287,7 milhões de euros ao valor aprovado para 2020, passando de 1.743 milhões de euros para 2.030 milhões, indicou hoje o vice-presidente do Governo Regional, sublinhando que não haverá qualquer agravamento fiscal.
Comentários