Menos aviões no Montijo custarão 115 milhões de euros à ANA

A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros.

Jacky Naegelen/Reuters

A Força Aérea vai deslocar vários aviões militares para a base de Beja e Sintra, a fim de dar início à construção do aeroporto do Montijo. A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros, avança o jornal “Público”.

A ideia é transferir a esquadrilha de helicópteros EH101 (destinados especialmente para missões de busca e salvamento) da Base Aérea, n.º 6 do Montijo para Sintra, enquanto os C295 (especializados no transporte de tropas e carga) devem ser transferidos para Beja. Apenas os aviões maiores devem continuar no Montijo, tendo em conta que são compatíveis com os voos civis.

Para que este processo fique encerrado, falta ainda definir os detalhes relativos ao modelo de financiamento da construção do novo aeroporto, assente numa lógica que isenta o Estado de custos de construção do projeto civil no Montijo. O custo da operação deverá ser pago pela ANA, que integra o grupo francês Vinci.

Recomendadas

Epson Europa vê Portugal como “mercado totalmente estratégico”

Raúl Sanahuja, responsável de Relações Públicas e Comunicação da Epson, considera que as empresas portuguesas são mais “ousadas” e “lançadas” na integração de tecnologia de impressão.

“Problemas no setor de aviação convertem-se em oportunidades”, considera CEO da EuroAtlantic

Quais os grandes desafios que o setor da aviação vai ter que ultrapassar? Eugénio Fernandes, CEO da EuroAtlantic, esclarece que a empresa funciona em contraciclo com o mercado e que os problemas no setor convertem-se em oportunidades. Quanto aos problemas, este responsável aponta a falta de pessoal como questão a ultrapassar.

PremiumPartner da Peugeot lidera vendas nacionais da marca

Jean-Philippe Imparato explicou ao Jornal Económico a evolução global da marca no ano passado, com uma quebra de 8,8% registada nas suas vendas mundiais (excluído o mercado do Irão).
Comentários