Menos aviões no Montijo custarão 115 milhões de euros à ANA

A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros.

Jacky Naegelen/Reuters

A Força Aérea vai deslocar vários aviões militares para a base de Beja e Sintra, a fim de dar início à construção do aeroporto do Montijo. A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros, avança o jornal “Público”.

A ideia é transferir a esquadrilha de helicópteros EH101 (destinados especialmente para missões de busca e salvamento) da Base Aérea, n.º 6 do Montijo para Sintra, enquanto os C295 (especializados no transporte de tropas e carga) devem ser transferidos para Beja. Apenas os aviões maiores devem continuar no Montijo, tendo em conta que são compatíveis com os voos civis.

Para que este processo fique encerrado, falta ainda definir os detalhes relativos ao modelo de financiamento da construção do novo aeroporto, assente numa lógica que isenta o Estado de custos de construção do projeto civil no Montijo. O custo da operação deverá ser pago pela ANA, que integra o grupo francês Vinci.

Recomendadas

Greve na Transtejo/Soflusa desconvocada

A paralisação, agendada para a partir de terça-feira, foi hoje suspensa, na sequência da subscrição de um protocolo negocial entre a administração da empresa e os sindicatos.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]

Crise em Angola obriga empresários a recrutarem mais talentos angolanos

Estudo divulgado esta segunda-feira revela que as empresas angolanas, em 2018, recrutaram mais licenciados e bacharéis para trabalhar na área tecnológica, com maior domínio de HTML, Java, SQL, Visual Basic e Visual Basic Net.
Comentários