Menos aviões no Montijo custarão 115 milhões de euros à ANA

A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros.

Jacky Naegelen/Reuters

A Força Aérea vai deslocar vários aviões militares para a base de Beja e Sintra, a fim de dar início à construção do aeroporto do Montijo. A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros, avança o jornal “Público”.

A ideia é transferir a esquadrilha de helicópteros EH101 (destinados especialmente para missões de busca e salvamento) da Base Aérea, n.º 6 do Montijo para Sintra, enquanto os C295 (especializados no transporte de tropas e carga) devem ser transferidos para Beja. Apenas os aviões maiores devem continuar no Montijo, tendo em conta que são compatíveis com os voos civis.

Para que este processo fique encerrado, falta ainda definir os detalhes relativos ao modelo de financiamento da construção do novo aeroporto, assente numa lógica que isenta o Estado de custos de construção do projeto civil no Montijo. O custo da operação deverá ser pago pela ANA, que integra o grupo francês Vinci.

Recomendadas

Alojamento local cresce para mais de 77 mil estabelecimentos

A maioria dos espaços está localizada nos distritos de Faro (29.703), Lisboa (20.512) e Porto (8.957).

Catarina Martins com relógio de luxo e outras ‘fake news’ sobre Portugal espalham-se em sites criados no Canadá

O “Diário de Notícias” descobriu que o responsável pelos sites de ‘fake news’ é um industrial de têxteis do Norte apoiante de Donald Trump e Jair Bolsonaro.

Alojamento local: novas regras entram hoje em vigor

Com o novo enquadramento, as câmaras municipais e as assembleias de condóminos podem intervir na autorização do alojamento local. Vem Também permitir a fixação de “áreas de contenção” para “preservar a realidade social dos bairros e lugares”.
Comentários