Mercado de duas rodas, triciclos e quadriciclos cresce 20% até julho

De janeiro a julho de 2021, registaram-se em Portugal 22.894 novos veículos matriculados. O mercado de motociclos é o que regista o maior número de novos veículos matriculados: 21.202 unidades, de acordo com a ACAP.

Cristina Bernardo

Durante os primeiros sete meses de 2021, o mercado dos representantes oficiais de marca a operar em Portugal, respeitante aos veículos novos de duas rodas, triciclos e quadriciclos, registou um crescimento de 20,4% face ao período homólogo do ano anterior. No entanto, comparando o número de matrículas registadas em julho face ao mesmo mês de 2020, regista-se uma queda de 20,4%, segundo os dados da Associação Automóvel de Portugal (ACAP) divulgados esta terça-feira.

De janeiro a julho de 2021, registaram-se em Portugal 22.894 novos veículos matriculados. O mercado de motociclos é o que regista o maior número de novos veículos matriculados, (21.202 unidades) e o maior aumento em termos percentuais, 21%.

O mercado dos triciclos regista uma subida de 12,1%, que corresponde a um número de veículos relativamente reduzido quando comparado aos outros mercados, 165 unidades. Por sua vez, quadriciclos e ciclomotores registaram, em igual período, 508 e 1.019 unidades matriculadas respetivamente.

No que respeita à comparação mensal, o número de novos veículos matriculados em julho de 2021 foi de 4.595 unidades, o que corresponde a um decréscimo de 10,5% face ao mesmo mês de 2020. Também aqui, o mercado dos motociclos foi o que registou o maior número de novos veículos matriculados (4.237) – uma queda de 11,5% face a julho de 2020.

O mercado de ciclomotores novos matriculados pelos representantes oficiais das marcas totalizou 231 unidades, tendo apresentado uma variação negativa de 2,1%. Por fim, no mercado dos quadriciclos e ciclomotores, há a 90 e 165 novas unidades matriculadas respetivamente, traduzindo-se em quedas de 21,6% e 71,9%.

Recomendadas

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.
Comentários