Mercadona chega a Portugal em 2019

A marca Mercadona inicia projeto de internacionalização em Portugal, com a instalação de quatro supermercados, que abrirão portas em 2019. Primeiras lojas surgirão na zona do Grande Porto.

A empresa já registou a sociedade “Irmãdona”, tendo salientado que esta é uma “opção natural” face à proximidade às regiões da Galiza e de Castela e Leão, o que tenderá a facilitar o arranque da operação. Recorde-se que no passado dia 23 de junho a Mercadona anunciou que decidiu iniciar o seu processo de expansão internacional, escolhendo o mercado português como o primeiro para operar fora de Espanha.

Neste contexto, a empresa informou que planeia um investimento inicial de EUR 25m com a abertura de 4 lojas prevista para 2019, com cerca de 200 colaboradores.

A Mercadona é uma empresa de retalho (supermercados) de capital 100% espanhol e familiar e cujas vendas se focam no segmento de produtos alimentares (incluindo frescos), higiene pessoal, produtos de limpeza com um envolvimento muito significativo ao nível da marca própria.

Recomendadas

5G: Começou hoje a segunda fase da migração das frequências da TDT

A segunda fase da alteração da rede de emissores da televisão digital terrestre (TDT) arrancou esta segunda-feira, 24 de fevereiro, em Vila Nova de São Bento, no concelho de Serpa, um passo essencial para a implementação da quinta geração móvel (5G).

EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.
Comentários