Mercadona elimina sacos plásticos de uso único em todas as lojas

A cadeia de distribuição espanhola passa a disponibilizar sacos feitos de fécula de batata, que podem ser reciclados. Está previsto um investimento de 140 milhões de euros nos próximos quatro anos para reduzir a utilização de plástico.

A cadeia espanhola de distribuição Mercadona está a adaptar todos os supermercados da rede ao modelo de ‘Loja 6.25’ durante o ano em curso, o que implica a eliminação total de sacos de plástico de uso único em todas os pontos de venda, em Portugal e Espanha.

Neste processo, a designada ‘Estratégia 6.25’, a Mercadona prevê investir mais de 140 milhões de euros, o que permitirá reduzir até 3.200 toneladas de plástico por ano.

“Fiel ao seu compromisso de dizer ‘Sim a continuar a cuidar do Planeta’, a Mercadona cumpre hoje [dia 26 de janeiro] o primeiro marco da ‘Estratégia 6.25’ e elimina os sacos de plástico de uso único em todas as secções das suas lojas, uma ação que levou a cabo ao longo de 2020. Agora, a empresa oferece aos seus ‘chefes’ (como designa os clientes) sacos compostáveis feitos de fécula de batata, que devem ser depositados no contentor de lixo orgânico”, esclarece um comunicado do grupo espanhol de retalho.

Segundo os responsáveis da Mercadona, a informação sobre a forma adequada de reciclar está indicada através do pictograma incluído nos sacos, com a intenção de informar os clientes como fazer a separação e reciclagem adequada dos seus resíduos. Este símbolo foi, também, incorporado nos restantes sacos na linha de caixas, em três opções de sacos reutilizáveis e sustentáveis disponíveis na Mercadona.

“Além disso, a empresa disponibiliza caixotes para a deposição seletiva dos resíduos em todas as secções da loja, para que os clientes possam separar e depositar os seus resíduos e, assim, contribuir para a economia circular. O cumprimento desta primeira ação da ‘Estratégia 6.25’ representa uma redução de 3.200 toneladas de plástico por ano. Refira-se que a ‘Estratégia 6.25’ tem o triplo objetivo de, até 2025, reduzir 25% do plástico das embalagens, ter todas as embalagens de plástico recicláveis e reciclar todos os resíduos de plástico gerados nas suas instalações”, adianta o referido comunicado.

De acordo com a administração da Mercadona, “este objetivo está a ser cumprido através de um total de seis ações que envolvem modificações em diferentes processos da empresa, desde redesenhar as embalagens em coordenação com os fornecedores, adequar lojas e logística, a gestão de resíduos, entre outros”.

“No seu conjunto, a empresa prevê investir mais de 140 milhões de euros nos próximos quatro anos para a concretização de todas as ações que integram esta estratégia”, assinala o comunicado em questão.

A Mercadona criou uma equipa transversal para identificar e definir mudanças a implementar no âmbito desta ‘Estratégia 6.25’. Nos últimos quatro meses, a Mercadona adaptou um total de 72 lojas em Espanha e Portugal ao modelo de ‘Loja 6.25’, que será alargado a toda a cadeia durante 2021.

“Em Portugal já existe um supermercado com este conceito, em Matosinhos (Porto). Estas lojas, onde é possível observar os avanços da ‘Estratégia 6.25’, têm como objetivo ouvir a opinião de clientes e colaboradores sobre todas as ações que a empresa está a desenvolver nesta área. Neste período, foram recebidas mais de cinco mil opiniões e sugestões, tanto de clientes como de colaboradores, que ajudam a melhorar a aplicação das diferentes ações definidas para reduzir o plástico e promover a economia circular”, revela o mesmo comunicado.

 

Ler mais
Recomendadas

Canadá vai financiar programa internacional de combate à pesca ilegal

O Canadá vai reforçar o combate à pesca ilegal. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, a pesca ilegal representa até 26 milhões de toneladas de peixes capturados anualmente, avaliados entre os 10 e 23 mil milhões de dólares (entre 8 e 18,7 mil milhões de euros). A nível internacional, […]

Green Deal. Bruxelas quer preparar bloco europeu para “impactos inevitáveis” de alterações climáticas

A estratégia engloba três vertentes: tornar a adaptação ao aquecimento global mais inteligente”, “mais sistémica” e “mais rápida”. Segundo Timmermans, “embora a UE faça tudo o que está ao seu alcance para atenuar as alterações climáticas, tanto a nível interno como a nível internacional, devemos também preparar-nos para fazer face às suas consequências inevitáveis”.

ONG apela restauração a optar por loiça descartável à base de papel: “Não se trata de uma questão económica, mas ambiental”

Mais 177% em emissões de CO2 e um aumento de 267% no consumo de água doce. Estes são os principais valores avançados num estudo divulgado pela European Paper Packaging Association que apela à restauração rápida que opte por embalagens descartáveis à base de papel. “Favorecer loiça reutilizáveis na restauração rápida impactaria significativa e negativamente as alterações climáticas”, diz ao JE.
Comentários