PremiumMercadona vai criar entre 7.500 e 12 mil empregos em Portugal

Está prevista a abertura de 150 a 200 supermercados deste lado da Península Ibérica e o grupo espanhol vai empregar 50 a 60 funcionários por cada loja que abrir no nosso país.

O crescimento exponencial do plano de expansão da Mercadona no mercado – passou de quatro lojas no primeiro anúncio público de entrada no nosso país, em 2016, para um patamar entre 150 e 200 supermercados, assumido esta semana, a 12 de março, em Valência, pelo presidente do grupo, Juan Roig – terá efeitos na concorrência do sector da distribuição em Portugal, nos hábitos de consumo dos consumidores portugueses, na atividade dos fornecedores, em particular do sector agroalimentar, na criação de emprego e na economia nacional em geral.

Elena Aldana, diretora da Mercadona para os Assuntos Europeus confirmou ao Jornal Económico que cada supermercado da rede espanhola vai empregar uma média de 50 a 60 funcionários no nosso país, uma média superior à de Espanha porque o grupo decidiu abrir as suas lojas ao domingo em Portugal, segundo dia da semana com maior faturação no sector da distribuição, um fator bem distintivo nos hábitos de consumo em relação a nuestros hermanos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Mercadona planeia abrir até 200 lojas em Portugal

“Somos anticentralismo. Queremos demonstrar que o Porto é tão bom como Lisboa. Iremos estar em Lisboa e ficaremos muito contentes quando isso acontecer, mas Portugal não é só Lisboa, tal como Espanha não e só Madrid”, defende o presidente da Mercadona, Juan Roig.

Lojas da Mercadona em Portugal vão abrir ao domingo

Além das primeiras quatro lojas anunciadas, a Mercadona irá ainda abrir até ao final do ano, mais seis lojas: no Porto (centro), Braga (centro), São João da Madeira, Ovar, Barcelos, Aveiro e uma segunda loja em Vila Nova de Gaia, conforme apurou o Jornal Económico junto de fonte oficial do grupo.
Recomendadas

Bruxelas multa Nike em 12,5 milhões de euros

A Comissão Europeia afirmou que a Nike realizou práticas ilegais entre 2004 e 2017, relacionadas com mercadorias do FC Barcelona, Manchester United, Juventus, Inter de Milão, AS Roma e a Federação de Futebol Francesa.

Luís Filipe Reis, administrador da Sonae: “É mais desafiante dar aulas hoje”

Médico, com MBA, o gestor e professor universitário diz que Portugal tem uma boa formação e os alunos vão preparados para o mercado de trabalho.

Correos chega ao mercado português com a compra de 51% do capital da Rangel Expresso

A aquisição da operadora postal portuguesa faz parte da estratégia de internacionalização lançada pela Correos, que pretende expandir-se para o mercado asiático, um dos principais emissores de encomendas a nível mundial.
Comentários