“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

Assista em direto ao “Mercados em Ação” da JE TV.

Devido às medidas para conter o surto do novo coronavírus, as próximas edições do programa vão ser gravadas de forma remota. Em tempo de turbulência na economia e nos mercados pode manter-se a par das últimas novidades, contando como sempre com a análise feita por especialistas.

Nesta edição, Shrikesh Laxmidas (diretor-adjunto do JE) e Marco Silva (consultor de estratégia e investimento) analisam os dados do PIB divulgados na semana passada, fazem uma antevisão dos números do desemprego dos dois lados do Atlântico e um ponto da situação na earnings season, terminando com um olhar sobre os desempenhos das bolsas, do dólar e da cotação do ouro.

Para comentar estes temas vai estar no nosso estúdio virtual Filipe Garcia, economista e presidente da IMF-Informação de Mercados Financeiros.

Recomendadas

Fisco vai anular multas de 75 euros a trabalhadores independentes que esperam apoio extraordinário

A denúncia partiu hoje da Precários Inflexíveis, dando conta que muitos destes trabalhadores relataram à associação não conseguir submeter o pedido para o apoio relativo a julho, devido ao prazo curto para submeter o requerimento (uma semana, sem aviso prévio) e o tempo que leva a ser confirmada a reabertura de atividade.

Programa Valorizar apoia 24 projetos no Ribatejo e Alentejo em 7 milhões de euros

O apoio abrange projetos nas áreas do autocaravanismo, turismo literário, praias fluviais, estações náuticas, enoturismo e recursos endógenos.

Receita de IRC passa para níveis de 2014. São menos 1,5 mil milhões em 2020

“Andámos seis anos para trás em termos de receita do IRC”, diz Renato Carreira, Tax Partner da Deloitte. Fiscalista recorda que rombo na receita fiscal é em grande parte explicado pelo adiamento dos pagamentos por conta que só serão feitos pelas empresas se no final do ano tiverem lucros que os justifiquem. E a previsão é mais empresas com mais prejuízos, logo menos impostos a entrarem nos cofres do Estado.
Comentários