Mercados exigem ‘Super Mario’, mas Draghi enfrenta obstáculos no jogo final

A reunião do Banco Central Europeu esta quinta-feira vem no final do mandato do italiano e poderá ser uma das mais dramáticas. Os mercados pedem um pacote alargado de estímulos, mas Mario Draghi poderá desiludir, pois os ‘falcões’ não querem reabrir o programa de compra líquida de ativos.

Armando Babani/EPA/Lusa

“A questão não é se o BCE vai anunciar novas medidas, mas quanto é que irá entregar”, referiram os analistas do Danske Bank. A frase, numa nota com o título ‘Chega de conversa, chegou a hora de agir’,  resume de forma perfeita a incerteza que rodeia a reunião do banco central da zona euro desta quinta-feira.

Há meras semanas, a questão não parecia tão complexa. Mario Draghi, presidente do BCE, fez o percurso todo para sinalizar a inversão da política monetária, com a guerra comercial e o abrandamento da economia a obrigarem ao abandono da normalização.

Primeiro adoptou uma posição ‘paciente’, em junho admitiu que está pronto a lançar novos estímulos, e na reunião de política monetária de julho explicou que o BCE pode cortar taxas de juro e pediu aos comités para analisarem o relançar das compras líquidas de ativos, entre outros estímulos. As minutas da reunião aumentaram a expectativa sobre o timing dos estímulos: seria em ‘pacote’ e não a conta-gotas.

Os mercados gostaram e compraram dívida soberana da zona euro, com a taxa portuguesa a 10 anos a atingir um novo mínimo histórico de 0,09% no final de agosto.  Esse entusiasmo esfriou, no entanto, e até passou para um selloff de obrigações da zona euro, especialmente as da periferia, com a yield da dívida portuguesa a 10 anos, por exemplo, a subir para 0,281% esta terça-feira.

O que provocou esta desconfiança repentina?

“A economia certamente não melhorou,” afirmou Carsten Brezski, economista-chefe do ING Germany. “Mesmo que a zona euro não esteja perto de uma recessão severa, um período de estagnação irá fazer pouco para levar a inflação regressar para onde o BCE a quer”.

“Com revisões em baixa das estimativas para o crescimento e para inflação, e especialmente uma distância maior entre as projeções da inflação e a meta do BCE, o racional para novas ações do banco central é forte”, sublinhou. “Na ausência de sinais de aceleração da inflação em breve, fazer nada não é uma opção”.

Hann-Ju Ho, economista sénior do britânico Lloyds Bank, também acredita que o BCE irá baixar as projeções para a expansão económica (que em junho estavam em 1,2% para este ano e 1,4% em 2020 e 2021), mas explica que o foco está na visão do banco central para a inflação. Nas projeções de junho, o BCE via os preços a subirem 1,3% este ano, 1,4% em 2020 e 1,6% em 2021.  “O número-chave é o da inflação para 2021. Se for revisto em baixa, daria força para o BCE lançar um pacote mais forte de medidas de estímulo”, explicou.

“Há necessidade de mais estímulos, mas não parece haver unanimidade para um pacote grande de estímulos”, frisou Ho. Este é precisamente o fator que fez os investidores e analistas baixarem as expectativas sobre o que Draghi irá anunciar na quinta-feira – vários membros e ex-membros do Conselho de Governadores mostraram-se céticos sobre a necessidade de reiniciar o programa de compra líquida de ativos.

Segundo Ho, isso era expectável de ‘falcões’ como o alemão Jens Weidmann e o neerlandês  Klaas Knot, mas não de ‘pombas’ o francês François Villeroy de Galhau ou mesmo Vitor Constâncio, ex-vice de Draghi.

Corte na taxa de depósito “insuficiente”

O ‘mínimo’ que os analistas e os investidores esperam é um corte na taxa de depósito, que está atualmente nos -0,40%, com as estimativas entre uma descida de 10 ou 20 pontos base.

“Apesar da oposição dos ‘falcões’, é de duvidar que só um corte na taxa seja suficiente”, sublinhou Carsten Brezski do ING Germany. “Mesmo que o grupo que é cético em relação ao Quantitative Easing tenha crescido, ainda é uma minoria, enquanto uma vasta maioria está a favor de novos estímulos”.

Uma sondagem conduzida pela agência Bloomberg na semana passada revelou que a maioria dos analistas prevê que o BCE decida reiniciar o programa de compra líquida de ativos já em outubro, durante um ano e a um ritmo de 30 mil milhões de euros por mês.

Alguns analistas esperam que Draghi anuncie um QE ainda mais forte. O Danske Bank aponta para compras de 45 mil milhões de euros a 60 mil milhões por mês, porque a credibilidade do banco central está em jogo, pois sinalizou isso aos mercados e, em qualquer caso, será inevitável ter de lançar os estímulos mais tarde. Na mesma linha, o banco de investimento holandês ABN-Amro prevê um QE de 70 mil milhões por mês, simplesmente porque sem isso a inflação não irá chegar à meta do BCE, que é de perto mas abaixo de 2%.

Hann-Ju Ho, do Lloyds, alertou no entanto que Draghi poderá querer ter em conta os ‘falcões’ e anunciar um conjunto de medidas menos fortes ou até adiar os detalhes do QE para mais tarde.

“Uma escola de pensamento é que o novo programa pode ser adiado até Christine Lagarde tomar posse em novembro, o que arriscaria um atraso na implementação de um novo QE até ao final do ano ou mesmo 2020”, concluiu.

Ler mais
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários