Merkel abre campanha com ataque à indústria automóvel

Depois das férias, Angela Merkel relançou a sua campanha para as eleições alemãs com um ataque à indústria automóvel. A Chanceler alemã declara que os fabricantes de modelos Diesel esbanjaram a confiança dos consumidores e promete apoiar tecnologias limpas.

Angela Merkel relançou a campanha eleitoral com um ataque à indústria automóvel do seu país por causa do Dieselgate, revelando que está do lado das preocupações do público acerca desta matéria. Mantendo o silêncio durante três semanas de férias de verão, Merkel revelou estar de volta à ação e pronta para responder aos críticos, que a acusam de fugir às questões mais difíceis, segundo avança o Financial Times.

No entanto, e tendo atenção os 800.000 postos de trabalhos devidos à indústria automóvel alemã, Merkel refreou as suas críticas com a promessa de apoiar os construtores germânicos à medida que lidam com esta questão e enfrentam os desafios tecnológicos, com os veículos elétricos a encimar esta lista.

“Grande parte da indústria automóvel esbanjou a extraordinária confiança dos consumidores”, disse Merkel, acrescentando: “Quando as pessoas escondem coisas ou exploram falhas no sistema de testes de emissões ao ponto de os tornarem irreconhecíveis, isso destrói a confiança.”

O Diesel foi também defendido pela chanceler, que afirmou que este combustível tem um papel fundamental na economia e precisa ser apoiado numa altura em que a indústria está a responder a uma mudança tecnológica, não apenas com os carros elétricos, mas também com a condução autónoma e com os sistemas de partilha de automóveis. E prometeu apoio do Governo: “Quando as empresas não consigam gerir estas situações sozinhas, o Governo tem de as apoiar.”

Relativamente à proposta feita na passada semana por Martin Shulz, Merkel rejeita a introdução de uma quota para veículos elétricos, questionando a eficácia da implementação de uma medida deste género na Europa.

Relacionadas

Martin Schulz defende quotas para veículos elétricos na União Europeia

O líder do SPD também propõe leis mais duras para os fabricantes de automóveis e uma monitorização mais rigorosa das emissões de gases poluentes. E diz que a Alemanha foi “arrogante” e “não levou a sério a Tesla.”

Acordo salva Diesel na Alemanha: Mais de 5 milhões de carros vão reduzir emissões

Da cimeira entre o Governo alemão e os principais construtores automóveis do país saiu acordo para diminuir em entre 25% e 30% as emissões de mais de cinco milhões de veículos Diesel naquele país.

‘Dieselgate’: executivo da Volkswagen declara-se culpado

Oliver Schmidt era responsável pelo gabinete de engenharia ambiental da empresa e é um dos oito executivos que foi acusado pelo Ministério Público norte-americano até agora.

Parcerias e alianças: construtores evitam investir a solo nos carros autónomos

Cada vez mais construtores de automóveis anunciam parcerias e alianças entre si e com empresas tecnológicas para o desenvolvimento de veículos autónomos. A razão? Dividir o investimento e os riscos de um mercado que, em 13 anos, só valerá entre 10% e 15% do mercado europeu.

Carros elétricos estacionados dão 1300 euros aos seus proprietários na Dinamarca

A Nissan e a Enel analisaram de que forma é que as baterias dos carros elétricos podem ajudar a equilibrar a oferta e a procura e criar um novo fluxo de receita para aqueles que os têm.
Recomendadas

Governo: Portugal é o sétimo país da Europa que realiza mais testes

Secretário de Estado da Saúde disse que o país está a realizar testes para o novo coronavírus em 83 mil pessoas por milhão de habitantes.
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva não vai ser remunerado para coordenar programa de recuperação do Governo

O gestor já foi oficialmente nomeado para preparar o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030.

Bruxelas lança segunda fase da consulta aos parceiros sociais sobre “salário mínimo justo”

O objetivo é avançar depois de setembro para as negociações entre os parceiros sociais para a “celebração de um acordo” nos termos previstos nos Tratados ou a apresentação de uma proposta pelo executivo comunitário. Entre os objetivos está a eliminação ou limitação das variações e isenções ao salário mínimo.
Comentários