Merkel alerta para novo adiamento do Brexit se parlamento britânico chumbar acordo com Bruxelas

Para Merkel, o Brexit será uma herança histórica pesada sobre os ombros da UE e que os líderes europeus têm a responsabilidade de não empurrar o Reino Unido para fora do clube de Bruxelas se houver um novo pedido de mais adiamento.

boris_johnson_angela_merkel
Filip Singer/Lusa

A chefe do governo alemão, Angela Merkel, disse na quinta-feira, 17 de outubro, aos seus homólogos da União Europeia (UE), durante a reunião do Conselho Europeu, que será inevitável adiar uma vez mais a data de saída do Reino Unido da UE caso os deputados do parlamento britânico chumbem o acordo alcançado entre o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, com a Comissão Europeia.

De acordo com uma fonte próxima das negociações do Brexit, citada pelo “The Guardian”, a chanceler da Alemanha defendeu que a UE não poderia fingir que não permitiria uma extensão do prazo para o Brexit, caso esse adiamento fosse solicitado pelo Reino Unido. Esta posição terá sido anunciada durante as conversas dos líderes da UE sobre o Brexit, antes de ter sido anunciado o acordo com Londres.

Merkel terá descrito o Brexit como uma herança histórica que pesará sobre a UE e que os líderes europeus têm a responsabilidade de não empurrar o Reino Unido para fora do clube de Bruxelas se houver um pedido de mais adiamento.

Esta posição de Angela Merkel diverge do que o presidente cessante da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou após ter sido anunciado o acordo entre Londre e Bruxelas para o Brexit: de que um novo adiamento da concretização de todo processo estava “descartado”.

“Se temos um acordo, temos um acordo e não há necessidade de prolongamento”, afirmou Juncker.

Merkel também terá dito a Johnson para não dizer ao povo do Reino Unido que os líderes da UE não permitirão um novo adiamento. Embora os líderes da UE estejam ansiosos para que o acordo do Brexit seja aprovado, não querem entrar nas polémicas da vida política britânica.

Ler mais
Recomendadas

EUA vão pagar 1,4 mil milhões de euros para Novavax desenvolver 100 milhões de vacinas da Covid-19

O governo dos EUA decidiu apostar e confiar na Novavax, uma empresa do estado do Maryland que nunca colocou um produto no mercado.

Jair Bolsonaro está infetado com o novo coronavírus

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta terça-feira que está infetado com o novo coronavírus, um dia depois de relatar sintomas e realizar um teste num hospital Militar, em Brasília.

Diretora de Saúde de Israel demite-se e denuncia “fracasso” do combate

Siegal Sadetzki, diretora dos serviços públicos do Ministério da Saúde, renunciou ao cargo no dia seguinte ao anúncio do ministro da tutela, Yuli Edelstein, da sua intenção de nomear um responsável para a luta contra a pandemia, que lhe retiraria algumas das suas atuais responsabilidades.
Comentários